Timor-Leste

Xanana Gusmão vai ser agraciado com Ordem da Guerrilha a 20 de agosto

Xanana Gusmão vai ser condecorado no próximo dia 20 de maio com o título da Ordem da Guerrilha, "pela sua inexcedível liderança na luta da libertação nacional".

António Sampaio/LUSA

O ex-Presidente da República e ex-líder da resistência timorense Xanana Gusmão vai ser condecorado no próximo dia 20 de maio com o título da Ordem da Guerrilha, “pela sua inexcedível liderança na luta da libertação nacional”.

Este título honorífico, conferido pelo Presidente da República, Taur Matan Ruak, vai ser atribuído ao atual ministro do Planeamento Estratégico e ex-primeiro-ministro no dia em que as FALINTIL, o braço armado da resistência timorense, cumprem 40 anos.

No decreto presidencial que confirma o título, publicado no Jornal da República, Taur Matan Ruak explica que a decisão cumpre a vontade constitucional de reconhecer e valorizar “a resistência secular do povo maubere contra a dominação estrangeiro e do contributo de todos os que lutaram pela independência nacional”.

Destaca a “dedicada e honrosa participação na luta pela independência nacional” e as “dimensões de valorização e reconhecimento público da resistência timorense e de preservação da memória coletiva”.

Xanana Gusmão era um dos poucos líderes históricos timorenses que ainda não tinha sido condecorado.

A Ordem da Guerrilha, criada em 2006, é atribuída “a combatentes veteranos da libertação nacional com oito ou mais anos de participação que tenham atuado como militares e aos combatentes da libertação nacional com menos de oito anos de participação que tenham desempenhado funções como quadros militares da base de apoio”.

Um amplo calendário de eventos está previsto para assinalar o 40.º aniversário das FALINTIL, com o ponto alto a serem as cerimónias oficiais a 20 de agosto, na zona de Taci Tolo, arredores de Díli, coincidindo com o dia, de 1975, em que as Forças Armadas de Libertação de Timor-Leste (FALINTIL) são criadas como braço armado da FRETILIN.

As FALINTIL, que em 1987 se tornaram apartidárias e se consolidaram como braço armado da resistência à ocupação indonésia, são recordadas com atividades que incluem eventos desportivos, debates e cerimónias e rituais tradicionais.

Depois da independência de Timor-Leste, as FALINTIL transformaram-se nas forças armadas timorenses (F-FDTL) pelo que a cerimónia de 20 de agosto arranca com uma parada militar, um minuto de silêncio e a condecoração, promoção e passagem à reforma de quadros das F-FDTL.

Desconhece-se, para já, em que momento a condecoração será entregue a Xanana Gusmão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)