Cerca de 100 polícias e militares ficaram feridos depois da explosão de uma granada durante uma manifestação em frente do parlamento da Ucrânia, informou a polícia de Kiev.

O incidente ocorreu durante confrontos entre a polícia e manifestantes nacionalistas, que protestavam contra a aprovação pela Rada Suprema (parlamento) da polémica reforma constitucional, que confere uma autonomia acrescida aos territórios separatistas do leste do país.

O chefe da polícia da capital ucraniana, Alexander Tereschuk, disse à imprensa que o homem que lançou a granada foi detido.

“Tenho informação de que há mortos”, disse por seu lado o presidente da câmara de Kiev, Vitali Klitshcko, à televisão 112 Ukraina.

Entre os feridos, há pelo menos quatro que estão em estado grave, segundo a Guarda Nacional, uma força militarizada que depende do Ministério do Interior e é composta em parte por voluntários que integraram as milícias de defesa de Maidan, o movimento pró-europeu que liderou a contestação de fevereiro de 2014.

Um dos feridos graves referidos pelo chefe da polícia perdeu ambas as pernas.

Nenhum manifestante sofreu ferimentos, segundo a mesma fonte.