Sete autores portugueses têm a participação confirmada na 11.ª edição da Festa Literária Internacional de Pernambuco (Fliporto), no nordeste do Brasil, que este ano vai homenagear o poeta Fernando Pessoa, de 12 a 15 de novembro.

Arnaldo Saraiva, Sérgio Godinho, Miguel Sousa Tavares, Paulo José Miranda, André Morgado e Alfredo Antunes são os autores participantes, a par de Manuela Nogueira, sobrinha de Fernando Pessoa, segundo o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, que apoia o evento, a par da embaixada de Portugal no Brasil e da Casa Fernando Pessoa.

Sérgio Godinho, conhecido como “escritor de canções”, é compositor, autor de poemas, de textos teatrais e de obras literárias infantojuvenis, entre outra ficção, como “O primeiro gomo da tangerina” e “O pequeno livro dos medos”.

Na Fliporto, Sérgio Godinho, que escreveu “A vida dupla” e “O sangue por um fio”, vai participar num debate com o tradutor Ioram Melcer sobre “Mentiras sinceras, verdades fingidas: as vidas duplas (e múltiplas) do escritor”, numa alusão que se estende aos heterónimos de Pessoa.

Miguel Sousa Tavares participará numa conversa com o brasileiro Mário Prata sobre “Portugal e Brasil: o que nos une, o que nos afasta”, e os dois autores Paulo José Miranda e Alfredo Antunes vão comentar a vida e a obra do poeta homenageado, na conferência “Por que Pessoa nunca enjoa?”.

André Morgado, da novíssima geração de autores portugueses, vai lançar no festival a novela gráfica “A vida oculta de Fernando Pessoa”, em parceria com o brasileiro Alexandre Leoni.

O escritor Arnaldo Saraiva, professor da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, conhecedor do “universo pessoano” e do modernismo em Portugal, será o moderador da abertura do festival, que terá a participação da sobrinha de Pessoa, Manuela Nogueira.

Arnaldo Saraiva participará igualmente na mesa temática “Fernando Pessoa traduzido, Fernando Pessoa tradutor”.

A festa literária tem curadoria do escritor e advogado António Campos e vai decorrer entre os dias 12 e 15 de novembro, na cidade de Olinda, no Estado de Pernambuco, no nordeste brasileiro, classificada Património Histórico e Cultural da Humanidade pela UNESCO, a agência das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.