O parlamento grego aprovou hoje uma resolução em que pede ao governo para reconhecer o Estado palestiniano, durante uma sessão especial com a presença do presidente da Autoridade Palestiniana Mahmud Abbas, em visita oficial a Atenas.

Todos os partidos com assento parlamentar votaram a favor do texto, que pede ao governo grego “para promover os procedimentos adequados ao reconhecimento de um Estado palestiniano e esforços diplomáticos para que sejam retomadas as negociações de paz” na região, indicou o presidente do parlamento, Nikos Vutsis.

Abbas declarou “estar orgulhoso por estar no parlamento grego, o santuário da democracia” e agradeceu aos deputados gregos o voto que “contribui para a criação de um Estado palestiniano”.

Presidente da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP) desde 2005, que detém o poder na Cisjordânia, Abbas foi eleito para um mandato que terminou a 09 de janeiro de 2009.

Devido ao conflito entre as várias fações palestinianas, Mahmud Abbas decidiu prolongar o mandato por mais um ano, mas o líder palestiniano mantém-se no cargo.

Como resultado, o principal rival do Fatah, o movimento de resistência islâmica Hamas, no poder na faixa de Gaza desde 2007, declarou que não reconhece Abbas como presidente de direito.

A votação no parlamento grego realizou-se uma semana após uma resolução neste sentido adotada por unanimidade pela comissão de Defesa e dos Negócios Estrangeiros.

O texto adotado pelo parlamento baseia-se numa série de resoluções internacionais, como a decisão do Parlamento Europeu em dezembro do ano passado e as votações realizadas em parlamentos de outros países.

Na segunda-feira, no final de um encontro com Abbas, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou a oficialização do nome Palestina nos documentos gregos, em substituição da designação “Autoridade Palestiniana”, utilizada até aqui.

Nos últimos anos, a Grécia aproximou-se de Israel, nomeadamente em matéria energética, ao mesmo tempo que mantém um bom relacionamento com os palestinianos.

Tsipras visitou Israel e os territórios palestinianos no final de novembro. Por ocasião desta visita, o chefe de governo grego convidou Abbas para assistir à votação do parlamento grego a favor do reconhecimento do Estado palestiniano.

Ao todo, 136 países reconheceram o Estado palestiniano, incluindo oito na Europa: República Checa, Hungria, Polónia, Bulgária, Roménia, Malta, Chipre e Suécia.