Rádio Observador

Conflito na Ucrânia

Crimeia é da Rússia ou da Ucrânia? A Coca-Cola meteu-se no meio da discussão

Numa mensagem de bom ano, a Coca-Cola publicou um mapa da Rússia sem a Crimeia: os russos não perdoaram. Depois incluiu a Crimeia no mapa e os ucranianos revoltaram-se. Ups!

A empresa, diz, não apoia "quaisquer movimentos políticos"; mas da fama já não se livra

LIONEL BONAVENTURE/AFP/Getty Images

A Coca-Cola anunciou esta terça-feira ter retirado uma polémica mensagem de bom ano, destinada aos consumidores russos, que publicou numa popular rede social do país: a NK. E, já esta quarta-feira, pôs as culpas da polémica numa agência de marketing, responsabilizando-a pelas alterações à publicação. “Nós, enquanto empresa, não apoiamos quaisquer movimentos políticos. A empresa decidiu remover a publicação e pedir desculpa pela situação ocorrida” anunciou a empresa, em comunicado citado pela agência Reuters.

No epicentro da polémica publicação, partilhada a 30 de dezembro, estava um mapa da Rússia que não incluía a Crimeia – território anexado pelo país de Vladimir Putin à Ucrânia em março de 2014. Os russos, pouco comovidos pelos votos de feliz 2016, caíram em cima da marca, que decidiu então alterar o mapa, que passou a incluir a Crimeia (para além de outros territórios, como as ilhas Curilas ou o distrito de Kaliningrado).

Foi pior a emenda do que o soneto: a inclusão da Crimeia motivou a ira dos ucranianos, e os pedidos para boicotar a bebida começaram a surgir no país. Nem a embaixada norte-americana se absteve de comentar o caso, relata a agência Reuters:

A Embaixada [norte-americana] enfatiza que as ações da Coca-Cola violam a posição oficial dos Estados Unidos, que condena a ocupação ilegal da Crimeia feita pela Rússia, que sempre foi e continuará a ser parte integral da Ucrânia.

Com a pressão mediática, a Coca-Cola decidiu esta terça-feira cortar o mal pela raiz: “Queridos amigos! Obrigado pela vossa atenção. Decidimos eliminar a publicação que causou o problema” anunciou a filial ucraniana da marca, no Facebook, tentando acalmar os ânimos. Mais tarde, já esta quarta-feira, viria a desresponsabilizar-se pelas alterações à mensagem: a culpa, diz a marca, é de uma agência de marketing e publicidade que decidiu responder às críticas dos consumidores russos com uma modificação do mapa. Tudo, acusam, sem sequer pedir a aprovação à empresa.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)