Sean Penn deu uma longa entrevista ao “60 Minutes” da CBS para falar sobre o episódio que tem feito correr muita tinta por todo o mundo: a sua entrevista a El Chapo, o narcotraficante mexicano capturado recentemente. O ator desabafou, lamentou e disse sem rodeios que o artigo para a revista Rolling Stone foi uma desilusão. E foi mais longe: ligarem-no à captura de Joaquín El Chapo Guzmán não será inocente…

“Há esse mito sobre a nossa visita a El Chapo, que terá sido essencial para a captura. Nós encontrámo-nos com ele muitas semanas antes, a 2 de outubro, num lugar que não era perto donde ele foi capturado. (…) Aqui vai o que sabemos: sabemos que o governo mexicano sentiu-se claramente muito humilhado pela ideia de que alguém o encontrou antes deles. Ninguém o encontrou, não somos mais espertos que a DEA [Drug Enforcement Administration] ou que os serviços secretos mexicanos. Tivemos um contacto que facilitou o convite”, explicou.

Sean Penn foi depois questionado com algumas perguntas às quais respondeu apenas com uma palavra, “sim” e “não”, mais parecendo estar diante de um qualquer polígrafo. Seria a ideia fazer dele o culpado pela captura de El Chapo e colocá-lo em risco? “Sim”, disse, sem pestanejar. Quereriam as autoridades colocá-lo sob a mira do cartel mexicano? “Sim”, disse mais uma vez. O jornalista da CBS perguntou depois se o ator temia pela vida: “Não”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As palavras começaram depois a fluir quando explicou o maior lamento. “Pensei que isto fosse sobre começar uma discussão sobre o combate às drogas. Essa era a minha ideia simples. (…) Eu não posso fazer dele [El Chapo] pior do que eu, se eu não estiver no terreno a fazer tudo o que posso, para fazer uma discussão avançar sobre a forma como tratamos essa guerra”, afirmou.

E arrependimentos e lamentos, mr. Penn? “Terríveis. Lamento que toda a discussão à volta deste artigo não seja sobre o que era suposto, que era contribuir para a discussão sobre a política do combate às drogas”, admitiu. “Todos queremos que este problema com a droga pare. Todos queremos que as mortes em Chicago parem. Somos o consumidor, concordes ou não com Sean Penn, há uma cumplicidade. Sejas da direita moral ou da esquerda extrema, os teus filhos consomem drogas de igual maneira… Quanto tempo se perdeu a falar nisso depois do artigo? 1%?”, questionou.

“O meu artigo falhou. Deixe-me ser claro: o meu artigo falhou!”, chegou a dizer, taxativamente, com um ar agastado. O programa “60 Minutes” será transmitido na integra no domingo, nos Estados Unidos.