Maria Luís Albuquerque vai trabalhar para a financeira londrina Arrow Global que, por sua vez, em 2015, comprou a consultora especializada em gestão de crédito Whitestar Asset Solutions que, por sua vez, no ano antes tinha comprado “ao Banif cerca de 300 milhões de euros de crédito malparado”, diz o PS. Conclusão desta sucessão de acontecimentos levantada pelos socialistas: chamar os gestores da Whitestar Asset Solutions à comissão parlamentar de inquérito à gestão e venda do Banif.

O requerimento socialista foi entregue esta sexta-feira no parlamento e faz a relação entre os vários momentos, para concluir que “em bom abono da verdade, o Grupo Parlamentar do Partido Socialista, pretende aferir qual a influência da sociedade Whitestar Asset Solutions no âmbito do processo Banif e quais os contactos que foram estabelecidos nesse âmbito entre os responsáveis da sociedade e Maria Luís Albuquerque”.

O PS faz ainda outra relação: “A Whitestar Asset Solutions foi contratada para avaliar a carteira de crédito em risco e imóveis da Oitante” (a sociedade que ficou com os ativos tóxico do Banif). Posto tudo isto, o PS quer ouvir John Calvão e João Ferreira Marques, gestores da Whitestar.

Os socialistas fundamentam as dúvidas nas várias ligações, mas também nas declarações do CEO da Arrow Global, logo na quinta-feira em que se soube das novas funções da ex-ministra das Finanças, onde “salientou a importância do percurso político de Maria Luís Albuquerque para a referida contratação.”

A empresa que compra e gere dívidas, contratou a ex-responsável das Finanças com administradora não-executiva. A escolha, só por si, levou os adversários políticos do PSD (e não só) a levantar várias questões éticas, o que já levou Maria Luís Albuquerque a pedir um parecer à subcomissão parlamentar de Ética sobre esta situação.

Notícia alterada às 23h