Rádio Observador

Síria

O militar russo que “reconquistou” Palmira. E morreu — o nome e o rosto

4.146

Está a ser avançado por alguns fóruns o nome do soldado das forças especiais que morreu na operação de resgate da cidade de Palmira. Foi detetado pelo Daesh e, aí, chamou o fogo da aviação russa.

O rosto do herói, segundo o site militar Военный Советник.

Edgar Caetano

O militar das forças especiais russas andava há uma semana no terreno, a enviar coordenadas para a Força Aérea. Ao longo de vários dias, o especialista foi-se aproximando de Palmira, a cidade histórica que há mais de um ano estava sob o controlo do auto-proclamado Estado Islâmico. Cada conjunto de coordenadas que o militar enviava, pela sua precisão, era um dado precioso para a investida que o exército sírio e a Força Aérea russa estavam a preparar. Mas o militar aproximou-se demais e foi detetado pelas forças do Daesh. Vendo-se cercado, o militar decidiu chamar o fogo dos aviões russos para a sua localização. Com a sua morte começou a reconquista de Palmira.

O nome do militar russo, um especialista em reconhecimento de terreno que pertencia às forças especiais, não foi divulgado oficialmente. Mas nas últimas horas surgiu um nome em alguns fóruns militares. Um nome e um rosto: Aleksandr Prochorenko, de 25 anos.

A sua morte foi, na terça-feira, confirmada e descrita por um porta-voz das forças russas na base de Hmeymim, citado pela SputnikNews.

Enquanto obtinha coordenadas das instalações dos terroristas do Daesh e as transmitia à Força Aérea, com o objetivo de lançar um raide perto de Palmira, um oficial das forças especiais russas encontrou a morte. Ao longo de uma semana, levou a cabo a sua missão militar de enviar coordenadas exatas da localização dos terroristas, de modo a permitir aos aviões russos o lançamento de ataques cirúrgicos.

Segundo o Ministério da Defesa sírio, os aviões russos terão atingido quase centena e meia de locais, com grande precisão, o que foi decisivo para que as forças do exército sírio conseguissem, no terreno, combater os membros do Daesh – forçando a sua retirada.

“Após combates noturnos violentos, o exército controla totalmente a cidade de Palmira, incluindo a parte antiga e a parte residencial. Eles [os jihadistas] retiraram-se”, disse uma fonte militar no domingo, citada pela Agence France Presse (AFP). O ataque tinha começado na quinta-feira, presumivelmente no momento em que o militar russo chamou os aviões russos para avançarem com os bombardeamentos – a começar pela sua própria localização.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)