Em 2015, cerca de 95 mil crianças não acompanhadas requereram asilo na Europa. A UNICEF apelou para que fossem tomadas medidas para evitar que corram riscos de abusos, tráfico, e exploração.

Estima-se que uma em cada nove crianças refugiadas e migrantes, não acompanhadas, não estão contabilizadas, segundo indica a Interpol. Na Eslovénia, cerca de 80% das crianças sem acompanhamento desapareceram dos centros de acolhimento e na Suécia perde-se o rasto de 10 crianças por semana.

Marie Pierre Poirier, Coordenadora Especial da UNICEF para a crise de refugiados e migrantes na Europa, afirmou: “As crianças não acompanhadas estão a escapar por entre as lacunas existentes. Muitas pura e simplesmente fogem dos centros de receção para se juntarem às suas famílias alargadas enquanto esperam, ou porque não lhes foi concedida a possibilidade de serem devidamente ouvidas, a fim de determinar o seu interesse superior, ou porque não lhes foram explicados os seus direitos”.

A UNICEF destaca também a importância de tratar este tema de uma forma rápida e eficaz, lembrando que atualmente as crianças têm de esperar 11 meses, desde que fazem o registo, até à transferência para o país que as vai receber.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No ano passado, 96.500 crianças não acompanhadas requereram asilo na Europa, sendo que a maior parte tinha menos de 14 anos e viajaram sozinhas e sem qualquer proteção de familiares ou adultos responsáveis.

Os Estados-Membros da União Europeia estão a trabalhar num sistema de apoio aos migrantes e refugiados que seja mais justo.