É talvez um dos regressos mais antecipados do ano: Renée Zellweger está prestes a voltar ao grande ecrã, com o filme Bridget Jones’s Baby a chegar às salas nacionais em meados de setembro. Seria, então, apenas uma questão de tempo até a atriz dar entrevistas e posar para fotografias, de modo a promover a longa-metragem a caminho. Sem tempo a perder, Zellweger faz a capa de julho da Vogue britânica, edição onde conta, em entrevista, por onde andou nos últimos seis anos em que esteve longe dos holofotes de Hollywood.

Fotografada por Patrick Demarchelier, a imagem de capa marca a primeira vez, em anos, que a atriz aparece de forma tão proeminente numa revista. Depois de ter participado no filme A Minha Canção de Amor, de 2010, Zellweger desapareceu do mapa, quase sem deixar rasto, numa aparente procura por uma vida normal. Apesar da distância, não foi particularmente fácil para a atriz ficar invisível aos olhos da imprensa internacional, tal como explica o E!, dado o fim do namoro com Bradley Cooper em 2011.

Zellweger, que entre 2000 e 2010 entrou em quase 20 filmes, estava cansada das exigências da profissão e precisou de tempo para si própria:

Enquanto uma pessoa criativa, é difícil dizer não a um projeto maravilhoso que surge uma vez na vida. Mas eu estava cansada e não estava a tirar o tempo que precisava para recuperar entre projetos. Estava farta do som da minha voz: estava na altura de me ausentar e de crescer um pouco”.

Foi precisamente durante esse intervalo de seis anos que a atriz diz ter encontrado o anonimato, uma condição que lhe permitiu “ter experiências com pessoas num nível humano”, além de ser vista e ouvida, “e não definida por esta imagem que me precede sempre que entro numa divisão”. “Não podemos ser bons contadores de histórias sem ter experiências de vida.”

Mas não é apenas sobre a vida pessoal que Zellweger quer falar. À Vogue a atriz voltou a abordar os quilos que ganhou para interpretar uma vez mais a personagem de Bridget Jones, mas não sem antes deixar ficar uma crítica:

Ganhei alguns quilos. Também ganhei peito e barriga [de grávida]. Bridget tem um peso perfeitamente normal e eu nunca percebi porque é que isso importa tanto. Nenhum ator iria receber semelhante escrutínio se fizesse o mesmo por um papel”.