Rádio Observador

Bentley

Por 300.000€ pode ser seu o melhor SUV do mundo

É enorme, luxuoso, rápido e tem 608 cv. Custa 300.000€ e, se optar por um relógio especial para o tablier, são mais 150.000€. O Bentayga já está em Portugal e o Observador já esteve ao volante.

James Lipman

Se é daqueles que quer apenas o que há de melhor e está decidido a comprar um SUV, a escolha só pode ser uma: o Bentley Bentayga. E a primeira unidade para venda já está em Portugal. Esqueça as dimensões quase paquidérmicas, o luxo asiático do seu interior ou até mesmo a lista de equipamento que nunca mais acaba. Tudo isto é importante, mas o primeiro SUV da Bentley vale muito mais.

A alma do modelo britânico do Grupo Volkswagen, representado entre nós pela SIVA, é um imponente motor a gasolina com 6,0 litros e 12 cilindros em W – na realidade são quatro conjuntos de três cilindros em linha, o que o torna numa unidade muito larga, mas igualmente curta, ideal para ser posicionada em posição o mais central possível. Mas a complexidade da mecânica não fica por aqui. O ar é soprado por dois turbocompressores e a gasolina alimentada por um sistema de injecção misto, directa e indirecta, com a gestão electrónica a decidir qual a melhor solução em cada momento, sendo que ideia é andar muito e consumir – e poluir – pouco. O resulta só podia ser impressionante: 608 cv, verdadeiros puro-sangue desejosos de impulsionar o maior dos Bentley até ritmos nunca vistos.

Como SUV que é, o Bentayga – deve a denominação a uma montanha das ilhas Canárias – recorre a um sistema de tracção integral, similar ao Quattro dos Audi, o que lhe permite digerir lamaçais com o mesmo à vontade com que anda nas dunas de areia do deserto. E esta habilidade para andar na areia é importante, sobretudo porque areia é o que não falta nos países que integram os Emiratos Árabes Unidos – onde se encontram a maior parte dos clientes do modelo inglês. Associada à tracção integral está uma caixa automática com oito velocidades, que explora correctamente o potencial do veículo. Este pode num instante ser conduzido com o maior dos cuidados, quase ternura, para não agitar quem se senta atrás, para no momento seguinte acelerar de forma tão violenta que até faz inveja a muitos desportivos. E os números falam por si, com o Bentayga a atingir 301 km/h e a passar pela fasquia dos 100 km/h ao fim de 4,1 segundos. Há Ferrari e Porsche que ficam aquém deste valor e nenhum deles pesa 2440 kg – andam mais próximo de metade deste valor. E muito menos podem transportar a família completa, com bagagem e tudo.

Se impressiona por fora, imagine por dentro

Quem vai lá dentro tem a difícil tarefa de decidir o que o impressiona mais: se o espaço mais que generoso para cinco adultos, ou o extremo cuidado colocado nos mais ínfimos pormenores. Da pele utilizada à atenção dedicada aos pespontos, passando pela forma como tudo é envolvido e torneado, recorda-nos que pagámos 300.000€ por algum motivo – o trabalho artesanal dos técnicos britânicos. Este tipo de construção tem ainda a vantagem de cada um poder ter um Bentayga diferente do Bentley do vizinho, com a marca a disponibilizar 15 cores e tipos de couro para revestir o habitáculo, conjugáveis com as 17 cores previstas para a carroçaria. Mas não se iniba, pois se quiser um destes SUV num magnífico verde-alface, azul às pintinhas ou camuflado, garantimos que a resposta da marca vai ser sempre a mesma: é para já.

Se o modelo impressiona parado, deixa-nos boquiabertos quando começamos a andar. Começa por nos cativar o silêncio, ou a ausência de ruídos – parasitas, de rolamento ou aerodinâmicos –, ou muito provavelmente ambos. Depois começamos a apercebermo-nos da capacidade das suspensões em filtrar as irregularidades das estradas. De funcionamento pneumático, o Bentayga parece um tapete voador, tornando boas mesmo as más condições do piso.

Mas isto é um Bentley com mais de 600 cv, pelo que só passear não faz sentido. Nem os engenheiros da marca iriam apreciar, pois se esse fosse exclusivamente o objectivo, bastava um terço da potência. Nada disso, os 608 cv estão lá e é para os utilizar. Ao máximo. E é aqui que descobrimos a outra dimensão do impressionante veículo. É enorme e pesado, mas curva como se fosse um desportivo. O truque? As barras estabilizadoras activas. Controladas por um sistema eléctrico específico – alimentado a 48 Volt, para ser mais rápido e eficaz –, as barras do Bentley tornam-se macias em recta, o conforto agradece, para serem mais duras em curva, privilegiando o comportamento. É isto que faz com que o carro não adorne ao curvar, reduzindo a transferência de massas e melhorando a eficácia. O resultado não podia ser melhor, a justificar perfeitamente os cerca de 200.000€ que a marca britânica cobra por um destes SUV de sonho. Os outros 100.000€ são impostos. E portugueses.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)