O Papa Francisco explicou a queda aparatosa da última quinta-feira, na Polónia. A bordo do avião de regresso a Itália, após ter estado em Cracóvia a presidir às Jornadas Mundiais da Juventude, o Papa lembrou o incidente: “Estava a olhar para Nossa Senhora, e esqueci-me de subir o degrau. Estava com o turíbulo na mão, e quando percebi que ia cair, larguei-o e deixei-me ir. Se tivesse resistido, teria tido consequências, mas nada. Estou muito bem”.

Durante a viagem entre a Polónia e Itália, em que também considerou que “não é justo dizer que o Islão é terrorista”, o líder da Igreja Católica foi questionado sobre vários assuntos, designadamente em relação à situação na Turquia e na Venezuela, e também sobre o caso do cardeal Pell, acusado de abuso sexual de menores.

Sobre a Turquia, o Papa Francisco disse que está a acompanhar a situação, e considerou que ainda é cedo para falar. “Estou a analisar a situação, com funcionários da Secretaria de Estado, mas ainda não é claro”, explicou o Papa, que informou que conta com a ajuda de alguns analistas políticos para o aconselharem na posição sobre a situação após o golpe de estado na Turquia. Ainda assim, o Papa afirmou: “Devemos evitar o mal sobre os católicos, e é o que fazemos, mas não ao preço da verdade”.

Já em relação à Venezuela, o Papa explicou que tinha um encontro marcado com o presidente, Nicolas Maduro, mas que teve de ser cancelado devido a doença do presidente venezuelano. O líder da Igreja Católica confirmou ainda que estão a ser feitos contactos no sentido de um encontro futuro para debater a situação do país.

Quanto à situação do cardeal Pell, o Papa Francisco explicou que “as primeiras informações que chegaram eram confusas, relativas a situações de há 40 anos”, e escusou-se a comentar o caso antes de ser tomada uma decisão judicial. “Quando a justiça falar, então eu falarei”, concluiu.

Durante a viagem, o Papa Francisco recebeu ainda alguns presentes de um repórter do Panamá, país que acolhe as próximas Jornadas Mundiais da Juventude.

Pope Francis reacts while wearing a hat during a press conference on the plane after his visit to Krakow for the World Youth Days, on July 31, 2016. Pope Francis celebrated mass on July 31, 2016 with over 1.5 million pilgrims in a vast sun-drenched field in Poland, wrapping up an emotionally charged trip with some choice technological metaphors. In a nod to today's internet-dominated world, Francis urged the faithful, who had travelled to Poland from all over the world, to "download the best link of all, that of a heart which sees and transmits goodness without growing weary". / AFP / POOL AND AFP / Filippo MONTEFORTE (Photo credit should read FILIPPO MONTEFORTE/AFP/Getty Images)

O Papa utilizou um chapéu típico do Panamá, que lhe foi oferecido para assinalar o anúncio de que as próximas Jornadas Mundiais da Juventude se realizam no Panamá. (AFP/Getty Images)

O Papa agradeceu por fim pelos momentos que passou na Polónia. “Foi invadida novamente, mas desta vez por jovens”, disse o Papa Francisco, acrescentando que “o povo polaco tem muito entusiasmo. Mesmo à chuva, pelas ruas, não apenas os jovens, também as velhinhas”, recordou.