Crítica de Livros

A saga da sociedade soviética no regime estalinista

102

Victor Serge não foi só um “autor político”. Este romance vai da aventura à comédia, do policial ao ensaio político, com episódios de amor e traição. José Milhazes dá-lhe todas as estrelas.

Victor Serge (1890 – 1947)

Fonte: youtube.com

Autor
  • José Milhazes

Título: O Caso do Camarada Tulaev
Autor: Victor Serge
Editora: E-Primatur
Páginas: 356

O Caso do Camarada Tulaev

Frequentemente, a intelectualidade comunista e de alguns setores de esquerda justificavam o seu apoio ao regime soviético, alegando desconhecer os crimes perpetrados por José Estaline e seus carrascos, mas tratava-se de uma justificação esfarrapada. Só não sabiam isso porque não procuravam saber.

O livro “O Caso do Camarada Tulaev”, do escritor belgo-russo Victor Serge, foi escrito e editado no Ocidente no início dos anos 40, não sendo o primeiro onde este autor, então figura proeminente do movimento comunista internacional, denunciava a criação do aparelho burocrático e repressivo que José Estaline criava na URSS. Esta sua obra apenas foi publicada na Rússia em 1992, após a queda da União Soviética.

Não obstante a sua vida e obra estar ligada à luta política, seria injusto reduzi-lo a um “autor político”. E a prova disso é este romance, que vai da aventura à comédia, do policial ao ensaio político, sem faltarem os episódios de amor e de traição. Ele deixa-nos um grande retrato da formação da ditadura soviética através da descrição da ascensão e queda política dos “velhos bolcheviques”. Victor Serge acompanhou por dentro e descreve, por exemplo, a tática estalinista, que mais tarde foi formulada por Orwell no romance 1984: “Quem dirige o passado, dirige o futuro; quem dirige o presente, dirige o passado”. Na URSS, essa política deu origem ao aforismo: “não há nada mais inconstante do que o nosso passado”.

Este processo teve o seu ponto culminante durante os Processos de Moscovo de 1936-1938, durante os quais muitos antigos dirigentes bolcheviques, muito mais importantes no processo que conduziu à revolução comunista de 1917, foram acusados de “apoiantes do imperialismo e do fascismo”, reconheciam em “tribunais públicos” que tinham cometido inconcebíveis, como é o caso que é descrito neste livro.

Mas como é que um escritor francófono se vê participante dos acontecimentos que, como escreveu o escritor norte-americano, John Reed, “abalaram o mundo?

Victor Serge (cujo verdadeiro apelido é Kibaltchik) nasceu em Bruxelas em 1890, numa família de emigrantes políticos russos. Um dos seus parentes, Nikolai Kibaltchiki, foi um dos participantes do atentado terrorista que levou à morte do czar russo Alexandre II em 1870. A carreira política de Serge foi bastante atribulada, tendo começado a sua carreira política nas fileiras dos anarquistas francesas na véspera da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

O escritor e político viu-se na Rússia revolucionária em 1919, quando o governo francês o trocou por um oficial francês, capturado pela TcheKa (polícia política soviética) em São Petersburgo. Victor Serge aderiu ao Partido Comunista da Rússia (bolchevique) e realizou importantes tarefas para a Internacional Comunista, organização que visava levar o comunismo a todo o mundo.

À medida que Estaline impunha a sua ditadura, Serge começou a afastar-se da atividade política direta e a dedicar-se à literatura. Porém, não obstante isso, foi acusado de ligações à Oposição de Esquerda (ligada a Lev Trotksi) à ditadura e desterrado para Oremburgo, na Ásia Central, onde passou vários anos no início dos 1930. Foi libertado e autorizado a emigrar graças a pedido do conhecido escritor francês Roman Roland durante um encontro com José Estaline. O ditador soviético utilizava agilmente esse tipo de “idiotas úteis” para branquear o seu regime na Europa. Em 1936, tenta juntar-se a Trotski, mas divergências ideológicas rapidamente levaram a uma rutura de relações entre eles.

Vivendo em condições materiais muito difíceis, Victor Serge morre no México em 1947, não se excluindo a possibilidade de ele ter sido mais uma das vítimas dos serviços secretos soviéticos.

Um tiro na noite fria de Moscovo

Victor Serge deixou-nos uma basta obra política e literária, nomeadamente o livro “A vida e a morte de Lev Trotski”, em conjunto com Natália Sedova, segunda esposa de Trotski. Porém, “O Caso do Camarada Tulaev” é talvez a obra de maior destaque, pois constitui um quadro diversificado e vivo da sociedade soviética dos anos 30.

Numa das noites frias de Moscovo, um jovem armado encontra-se cruza-se acidentalmente na rua com um dos carrascos estalinistas Tulaev, que regressava a casa do trabalho. O jovem Kostia nada satisfeito com a realidade criada pelo regime comunista teve uma ideia inesperada: tirar uma pistola que trazia no bolso, assassina-lo e fugir do local do crime.

Esta morte adquire imediatamente um caráter político tão grande era a paranoia do regime estalinista. Perante o terror de novos actos terroristas, Estaline põe todo o aparelho securitário a descobrir mais uma “conspiração” da oposição política, mas cujo objetivo é organizar mais um processo contra os seus opositores. Porém, o plano acaba por falhar devido ao seu grau de absurdo.

O desenrolar da ação permite ao autor analisar as mais amplas camadas da sociedade soviética. Desde o pequeno funcionário Romachkin, passando pelo professor de História Rublev e pelo general Kondratiev, herói da Guerra Civil Espanhola, até Makeev, dirigente de uma organização regional do Partido Comunista extremamente cruel, fazer retratos dramáticos e realistas deixando Kafka para trás.

Além disso, Serge aponta pormenores quotidianos que enriquecem a obra. Por exemplo, a jovem que fugiu da fome na sua aldeia, provocada pela coletivização, e foi obrigada a prostituir-se em Moscovo por apenas alguns rublos. Ou esta pergunta lançada por alguém num dos mercados de Moscovo: “Acredita realmente que há de chegar o dia em que o Homem deixará de ter piolhos? Socialismo verdadeiro, pois então, com manteiga e açúcar para todos? E, talvez, para nossa felicidade, piolhos macios e perfumados que nos façam festas?”.

Sobre todo este mundo caótico, onde se combinam de forma quase inacreditável esperança, fé e dor, paira a força invisível que devora não só os inimigos reais, mas também os marginais. As revoluções devoram os seus próprios filhos, ou como escreve Victor Serge: “Quando, durante a noite, na casa comunal, soava a campainha, os habitantes diziam: “Vieram prender um comunista”, como diriam antes: “Vieram prender um fabricante ou um antigo oficial do regime czarista””.

Uma crítica implacável do estalinismo feita não por um escritor e pensador de direita, mas por um daqueles que acreditava nos “ideais originais” da revolução comunista de 1917 e aos quais se manteve fiel até ao fim da vida. Resumindo, um grande romance.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)