Espanha parece estar cada vez mais na mira dos terroristas do Estado Islâmico. Segundo o responsável pela luta conta o terrorismo no país, os jihadistas “aumentaram as alusões a Espanha e falam espanhol”, refere o El País.

Em textos recentes do Estado Islâmico (EI), escritos em castelhano, os terroristas analisam os resultados eleitorais e aumentam a possibilidade de vir a levar a cabo atentados em território espanhol, dirigidos em especial a “polícias, cristãos, judeus e homossexuais”.

O porta-voz da Wafa Media Foundation (uma “agência de comunicação” próxima do EI) dirigiu-se aos habitantes do Magrebe (Marrocos, Tunísia, Mauritânia e Líbia) e incitou à realização de ataques contra pessoas de nacionalidade espanhola. “Por qualquer motivo considerado válido para punir espanhóis criminosos… Por qualquer meio de disponível”, lê-se num comunicado em árabe, emitido a 18 de julho pela Wafa Media Foundation, cita o jornal espanhol.

Segundo o SITE Intelligence Group, a mensagem apela a que os ataques sejam mais devastadores do que os realizados em França (com referência a Nice) e sugerem que os mesmos sejam realizados por “lobos solitários” que devem matar e sequestrar espanhóis como forma de vingança por crimes históricos contra os muçulmanos.

A propaganda ao Estado Islâmico em Espanha tem crescido desde o início do ano e tem colocado o país como um terreno de referência para realizar atentados na Europa. Para além dos textos escritos, as ameaças e incitamento ao terror também já foram feitos em vídeo com apelos dirigidos aos muçulmanos que vivem na Europa e em Espanha em particular.