Lula da Silva condenou, esta quinta-feira, a denúncia feita pelo Ministério Público Federal por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do apartamento tríplex, na cidade de Guarujá, cuja posse terá sido alegadamente ocultada pelo ex-Presidente do Brasil. Numa conferência de imprensa realizada na sede do PT em São Paulo, Lula da Silva qualificou de “pirotecnia” o anúncio da denúncia contra si no âmbito da Operação Lava Jato e diz ser vítima de “parte da Justiça e dos meios de comunicação brasileiros”. “Provem uma corrupção minha que irei a pé até Curitiba”, desafiou. A cidade de Curitiba é a sede da 13ª Vara Federal Criminal, responsável pelos crimes investigados pela Operação Lava Jato. São Paulo e Curitiba estão separadas por cerca de 400 quilómetros.

Lula da Silva afirmou que está “tranquilo” em relação às acusações. “Todas estas denúncias que fico vendo, tenho a consciência tranquila e mantenho o bom humor porque me conheço, sei de onde vim, sei para onde vou, sei quem me ajudou a chegar onde cheguei, sei quem quer que eu saia e sei quem quer que eu volte”, ressaltou.

O ex-Presidente do Brasil defendeu que o seu governo e o de Dilma Rousseff fizeram mais que os seus antecessores para fortalecer as entidades que investigam a corrupção no Brasil e citou a Procuradoria-Geral da República, que segundo Lula, era comandada por um “engavetador-geral da República” antes do início da sua administração, em 2002, em relação a baixa notoriedade de casos de corrupção ou de condenações por corrupção no país.

Para Lula da Silva, o Brasil vive a lógica de que “o processo é a manchete”. “Quem vamos criminalizar pela manchete, quem vamos demonizar pela manchete?”, questionou ao referir-se aos meios de comunicação, que estariam a construir um “enredo de novela”:

Eles construíram uma mentira, construíram uma inverdade, como se fosse um enredo de uma novela e está chegando o fim do prazo. Afinal de contas, já cassaram [tiraram o mandato de] o [ex-deputado federal Eduardo] Cunha, já elegeram o [Michel] Temer pela via indireta, com o golpe, já cassaram a [ex-Presidente] Dilma [Rousseff]. Agora, precisa concluir a novela. Quem é o bandido e quem é o mocinho? Vamos agora dar o fecho, acabar com a vida política do Lula”, disse.

O petista reconheceu, no entanto, esta “perseguição” deve-se pela sua popularidade e comparou-se a Jesus. “Tenho uma história pública conhecida. Só ganha de mim no Brasil Jesus Cristo”.

“Não há prova, mas tem convicção”

Brazilian former president Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a press conference in Sao Paulo, Brazil on September 15, 2016. Lula da Silva defended himself against corruption charges Thursday, saying the case against him was an attempt to destroy him politically ahead of elections in 2018. / AFP / NELSON ALMEIDA (Photo credit should read NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

Lula da Silva disse que não estava “desanimado” com a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

Lula da Silva disse falar como um “cidadão indignado” e reconheceu que “não foi fácil” ver a sua casa “invadida” pela Polícia Federal, em março, no âmbito da Operação Lava Jato.

Afirmou que “não compreendeu como se convocou uma conferência de imprensa para apresentar a prova de um crime ao dizer que ‘não há prova, mas tem convicção'”. A citação é atribuída aos procuradores da Operação Lava Jato ao apresentarem a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na quarta-feira. Apesar de não terem dito textualmente a frase, a citação tornou-se um meme e foi utilizada pelos defensores do petista nas redes sociais contra o processo.

Ainda na conferência de imprensa, relembrou o seu passado político, disse ter orgulho de “ter criado o mais importante partido de esquerda da América Latina.” Ele disse que chegou à Presidência com o objetivo de não errar e que o sucesso do seu governo alimentou a “ira” e “ódio” dos adversários, devido aos avanços nas áreas sociais. Destacou, sobretudo, a questão da educação, citando a abertura de novas universidades, escolas técnicas e programas de inclusão educacional, numa indireta ao Presidente Michel Temer, que enviou ao Congresso uma proposta de emenda constitucional para limitar o gasto público, o que incluiria a educação.

O ex-Presidente do Brasil concluiu o seu discurso emocionado, ao dizer que não estava “desanimado” com a denúncia e mandou um recado para os seus adversários. “A história mal começou. Alguns pensam que ela terminou. E eu vou viver muito. Estou com 70 anos, com vontade de viver mais 20”, ressaltou.

O Ministério Público Federal denunciou, esta quarta-feira, Lula da Silva, Marisa Letícia, esposa de Lula da Silva, Paulo Okamotto, presidente do Instituto Lula, Léo Pinheiro, empresário da OAS, e outras cinco pessoas por corrupção e lavagem de dinheiro. O procurador Deltan Dallagnol, que coordena a força tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, disse que o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva era o “grande general” do esquema criminoso descoberto pelas autoridades.