Fundo Monetário Internacional

FMI melhora previsão para o desemprego em Portugal

Fundo reviu em baixa, de 0,6 pontos percentuais, a taxa de desemprego que previu há menos de duas semanas para este ano e para o próximo. É agora a organização mais otimista.

JIM LO SCALZO/EPA

O Fundo Monetário Internacional espera uma maior queda do desemprego este ano e no próximo do que esperava há duas semanas, quando divulgou a sua análise regular da economia portuguesa. Mas mantém, no entanto, uma previsão consideravelmente menos otimista face ao crescimento do país que a do Governo.

Nas Perspetivas Económicas Mundiais, dadas a conhecer pelo Fundo no âmbito das reuniões anuais do FMI e Banco Mundial que decorrem entre 7 e 9 de outubro, a Organização liderada por Christine Lagarde revê as suas previsões, feitas ainda muito recentemente, para alguns dos indicadores da economia nacional.

As principais revisões são positivas. O Fundo prevê agora que a taxa de desemprego este ano desça para 11,2%, quando anteriormente esperava que se ficasse pelos 11,8%. Esta é, até agora, a previsão mais otimista para a taxa de desemprego em Portugal em documentos oficiais, melhor até que aquela inscrita pelo Governo no Programa de Estabilidade, que era de 11,4%.

O mesmo se pode dizer da taxa de desemprego prevista para o próximo ano. É verdade que o Governo ainda irá rever as suas previsões no Orçamento do Estado para 2017, que deve apresentar no final da próxima semana e que o Programa de Estabilidade é o documento oficial mais antigo nesta comparação entre Comissão Europeia, FMI, OCDE e Conselho das Finanças Públicas, mas o Fundo muda a sua previsão apresentada a 22 de setembro de 11,3% para 10,7%.

Esta redução de 0,6 pontos percentuais (a mesma dimensão que a revisão operada no desemprego para 2016), coloca previsão do FMI como a mais otimista até ao momento a par da Comissão Europeia, ambos prevendo que o desemprego fique no máximo nos 10,7%.

Pessimismo sobre crescimento da economia

Quase todos os restantes números são mantidos, em especial o PIB, onde o FMI espera que a economia não cresça mais que 1% este ano e 1,1% no próximo ano, de longe a previsão mais pessimista até ao momento.

O único número, dos apresentados, que também sofre alterações é o da balança comercial prevista para o próximo ano, onde se espera que volte novamente a existir um desequilíbrio, mas em vez de ser um défice de 0,6% do PIB, o FMI aponta agora aos 0,7% do PIB.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)