O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, vai participar na reunião da APEC — Cooperação Económica da Ásia e do Pacífico — que tem a duração de dois dias. Mas a rota que o seu avião vai fazer para lá chegar não foi pacífica.

Duterte deixou claro desde o início que não queria “viajar meio mundo” para poder ir à conferência, que decorre dias 19 e 20 de novembro em Lima, Peru, afirmando que odeia viagens de longo curso. Acabou por ser persuadido a ir. E mais: preferiu adicionar mais seis horas de voo para não ter de sobrevoar espaço aéreo dos Estados Unidos da América. Em vez de passar sobre Los Angeles, que seria a rota tradicional, deu a volta pela Nova Zelândia, o que poderá adicionar as tais mais seis horas de voo, segundo avança a Quartz.

ai

Legenda:
Linha Rosa: Distância efetiva entre um ponto e outro; Linha Azul: Rota usual; Linha Verde: Rota adotada por Rodrigo Duterte

Relembre-se que a 20 de outubro Duterte anunciou a sua “separação” para com os Estados Unidos da América. Aliás, relembre-se que a relação entre os Estados Unidos da América e a Filipinas não é, de todo, pacífica, especialmente devido à campanha antidrogas que o presidente filipino iniciou, e que já fez milhares de mortes. Duterte instigou (e até premiou) milícias civis para acabarem com os traficantes e toxicodependentes está a ser investigado por violações aos direitos humanos. Uma das mais polémicas afirmações do presidente das Filipinas foi a de se comparar com Hitler, afirmando que iria matar mais de três milhões de toxicodependentes.

Leo Lim-Herrera, um dos responsáveis do departamento de Relações Externas das Filipinas, afirmou que o que levou à mudança de rota no avião de Duterte não foram questões pessoais e “mesquinhas”, mas sim “questões técnicas, como a capacidade do avião e o armazenamento de combustível”. Ainda assim, a rota incomum levada pelo presidente das Filipinas levantou dúvidas.