Rádio Observador

Beleza e Bem Estar

Bem-vindo ao mundo encantado dos sabonetes

O vintage tornou-se moderno e os sabonetes ganharam estatuto de pequeno luxo acessível. Se já foram um presente de Natal detestável, agora estão nos maiores guias de compras. Até Oprah se apaixonou.

Dão cor à casa de banho, têm texturas e aromas diferentes, alguns vêm em formas bonitas e até divertidas... isto se conseguir resistir à vontade de os deixar fechados nas suas embalagens artísticas.

Observador

Autor
  • Helena Magalhães

Estávamos em 2007 quando Oprah Winfrey recomendou, no seu programa diário, o sabonete da marca portuguesa Claus Porto. De todo o mundo, começaram a chover encomendas. O velhinho produto de beleza continuava, afinal, a ser apreciado pelas mulheres. Atualmente, a Claus Porto (à beira de fazer 130 anos de história) está presente em mais de 60 países e ajudou à (re)consolidação de um mercado que, com os desafios (e avanços na cosmética) que o novo milénio trouxe, muitos pensaram ter os dias contados.

Hoje em dia, com o vintage a ser o novo moderno, os sabonetes portugueses tornaram-se um produto estrela e estão presentes em qualquer guia de Portugal. O jornal americano Observer diz em brincadeira que, em viagem ao Porto, é preciso comprar-se um sabonete como prova de que se visitou a cidade. E o New York Times relembra que, depois de subir e descer Lisboa, sabe bem um bom banho e destaca os sabonetes Portus Cale, coleção da Castelbel Porto.

sabonetes, 2016, life style,

Da esquerda para a direita: Sabonetes Bonjardim, PVP. a partir de 7€; Mini-sabonete Cerina, Claus Porto, PVP. 5,50€; Sabonete de Cerveja Sovina Esfoliante, PVP. 4€; Sabonete exótico Flor de Lotus, O Boticário, PVP. 3,99€; Gala Coração, Soap Porn, PVP. 14,90€; Gala Lua, Soap Porn, PVP. 14,90€; Portus Cale Butterflies, Castelbel, PVP. 6€; Sabonetes Hello Portugal, Castelbel, PVP. 5,20€.

Com todas as inovações e tendências a surgir a todo o momento, os sabonetes continuam a representar um pequeno mundo encantado da beleza — basta entrar numa das duas lojas Claus Porto para se ficar perdido no meio das cores, dos padrões e dos cheiros. Mas, na verdade, há muito mais para lá das embalagens bonitas e do saudosismo. Os sabonetes são bons. E acima de tudo, fazem bem à pele: são nutritivos, hidratam, limpam, acalmam e até exfoliam. Estamos também a ver nascer novas marcas que pegaram neste produto milenar e lhe deram uma roupagem moderna e até atrevida, apelando às novas gerações — como as portuguesas Soap Porn, de Lara Franco, e a Juicy Soaps, que só usam ingredientes naturais.

Mas mesmo internacionalmente, há um leque cada vez maior de marcas a apostar neste produto nas suas coleções — Lush, Clash, The Body Shop, L’Occitane ou O Boticário são apenas algumas das que se vendem em Portugal porque, lá fora, a lista é infindável. O site The Trend Hunter reuniu uma lista de marcas que continuam a criar sabonetes com embalagens de morrer — que é como quem diz demasiado bonitas para serem abertas.

sabonetes, 2016, life style,

Da esquerda para a direita: Chipre Clássico, Confiança, PVP. 1,29€; Sabonetes The Body Shop, PVP. 3,50€; Botões de Rosa, Juicy Soaps, PVP. 4€; Coalface, Lush, PVP. 8,50€; Musgo Real, Claus Porto, PVP. 18€; Favorito, Claus Porto, PVP. 18€; Nativa Spa Pitaya, O Boticário, PVP. 3,99€; Sabonetes Clash em Packs de três, PVP. a partir de 10€.

Se um dia os sabonetes foram aquele detestável presente de natal que algum parente insistia em oferecer, em 2016 chegaram às sugestões de prendas da Vanity Fair, do site Refinery29 e do New York Post. Apesar dos dados negativos da agência de estudos de mercado Mintel que afirmou que as vendas de sabonetes estão a cair nos Estados Unidos, o jornal britânico Telegraph escreveu, na semana passada que, à semelhança do que já vem sendo tendência na Ásia, o regresso do sabonete para lavar o rosto vai chegar em breve à Europa. O mesmo previu a portuguesa Benamôr que, aos 91 anos se reinventou, procura conquistar o mercado asiático e acrescentou ao seu portfólio quatro sabonetes.

sabonetes, 2016, life style,

Da esquerda para a direita: Sabonete de Cerveja Sovina Hidratante, PVP. 4€; Bonne Mère, L’Occitane, PVP. 5€; Folhas de Verbena, L’Occitane, PVP. 6€; Sabonete The Body Shop, PVP, 3,50€; Sabonete Gordíssimo, Bênamor, PVP. 4,50€; Gala Rectangular, Soap Porn, PVP. 15,90€; Sabonete Primavera, Juicy Soaps, PVP. 4,90€; Ilyria, Claus Porto, PVP. 10,50€; Sabonete Amêndoa, Ach Brito, PVP. 1,99€.

Mais de cinco mil anos de história

No passado os sabonetes não eram tão modernos e coloridos mas foram, provavelmente, o primeiro produto de beleza a que tivemos acesso na nossa infância. E os nossos anciãos também. O site Soap History refere que a primeira evidência concreta de algo semelhante a um sabonete data de 2.800 a.C. — os primeiros fabricantes foram os babilónios, os mesopotâmios, os egípcios , os gregos e os romanos. Todos estes povos perceberam que misturar gordura, óleos e sais dava origem a uma espécie de sabão que, na altura, não era usado para banho ou higiene mas sim para a limpeza de utensílios e fins medicinais. Ao longo da história o sabonete foi utilizado para o tratamento de problemas de pele mas seria só no século XIX que a barra que conhecemos hoje viria a ser inventada.

Se se questiona o que será melhor, sabão em barra ou líquido, a BBC News dá algumas razões para dar uso (ou começar a dar) aos sabonetes. Destacamos três:

  • Nada bate aquela sensação de, no banho, esfregarmos um sabonete pelo corpo e sentirmos a sujidade a sair. Não é só físico, é também psicológico.
  • Os sabonetes são mais amigos do planeta. Não vai contribuir para o uso excessivo de plásticos porque a maioria vem embrulhado em papel.
  • O sabonete é um pequeno luxo a que todos podemos ter acesso. Dão cor à casa de banho, têm texturas e aromas diferentes, alguns vêm em formas bonitas e até divertidas. E, claro, dão um ótimo presente de Natal.
sabonetes, 2016, life style,

De cima para baixo: Caixa Kiwi e Lima, Castelbel, PVP. 15€ (x9); Guest Soap, Claus Porto, PVP. 20€ (x15); Maypole, Lush, PVP. 4,95€.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)