As autoridades de Chicago detiveram quatro pessoas depois de terem feito uma transmissão em direto no Facebook, na quarta-feira, enquanto torturavam um jovem e gritavam “Fuck Trump” e “Fuck white people” (‘Que se f… Trump’, ‘… Que se f… os brancos’). O vídeo mostra o jovem amordaçado e sentado no canto de uma sala a ser insultado, agredido e gozado por ser portador de doenças de foro psicológico. O grupo pediu também à vítima para insultar Donald Trump e obrigou-o a beber água da sanita.

“O vídeo transmite a brutalidade de um ataque feito a um jovem com problemas mentais que rapidamente se propagou nas redes sociais. As imagens mostram a ousadia dos criminosos a agredir a vítima e foram publicadas porque fizeram questão que toda a gente visse isso”, revela Eddie Johnson, do departamento da polícia de Chicago, em declarações ao The Guardian. Já o comandante da polícia Kevin Duffin admite ainda que está a investigar se o ataque feito pelos quatro suspeitos, dois rapazes e duas raparigas, foi motivado por um crime de ódio, visto que a vítima é caucasiana e os responsáveis são negros.

Duffin conta também que o jovem tinha sido dado como desaparecido horas antes e não exclui a hipótese de ter sido raptado pelos atacantes. Após o ocorrido, foi encontrado pelas autoridades que patrulhavam a cidade e foi de imediato transportado para o hospital. “Ele [a vítima] está traumatizado com as agressões e tem sido muito difícil falar com ele acerca do assunto”, conta ainda Duffin.

O vídeo tornou-se viral quando foi partilhado no Facebook, na quarta-feira, e demorou apenas meia hora para que o número de visualizações disparasse para 16 mil, dá conta o The Guardian.