805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Tropas senegalesas entram na Gâmbia para obrigar Jammeh a sair

Este artigo tem mais de 5 anos

Tropas do Senegal entraram na Gâmbia para assegurar a saída de Yahya Jammeh, que se recusa a reconhecer a derrota nas últimas eleições presidenciais.

Yahya Jammeh chegou ao poder há 23 anos
i

Yahya Jammeh chegou ao poder há 23 anos

AFP/Getty Images

Yahya Jammeh chegou ao poder há 23 anos

AFP/Getty Images

Tropas senegalesas entraram esta quinta-feira na Gâmbia para obrigarem Yahya Jammeh, líder do país há mais de 20 anos, a abandonar o poder. A informação foi avançada por Abdou Ndiaye, do Exército do Senegal, à Reuters.

A entrada das tropas senegalesas na vizinha Gâmbia acontece pouco tempo depois de o presidente eleito, Adama Barrow, ter tomado posse na embaixada gambiana no Senegal. Barrow venceu o Jammeh nas eleições presidenciais de dezembro passado, pondo fim a 23 anos de liderança. Apesar de ter reconhecido inicialmente a derrota e de ter concordado em fazer a passagem de poder em janeiro, Jammeh voltou atrás com a palavra, admitindo não reconhecer os resultados eleitorais.

Para justificar a mudança de posição, o líder da Gâmbia disse que investigações revelaram irregularidades na votação, o que que considerou inaceitável. “Desta forma, rejeito os resultados na sua totalidade”, disse, durante uma mensagem transmitida pela televisão nacional.

O mandato de Jammeh terminou oficialmente esta quinta-feira. Na quarta, as forças senegalesas avançaram para a fronteira e, de acordo com o Washington Post, há tropas de outros países da África Ocidental a postos.

Yahya Jammeh subiu ao poder em 1994, depois de um golpe de Estado que levou ao afastamento de Dawda Jawara, presidente da Gâmbia desde 1970. Muitas vezes acusado de favorecer um pequeno círculo de políticos, Jammeh pouco ou nada tem feito para acabar com a pobreza que afeta grande parte do seu país. A situação, grave, levou a uma grande onda de emigração para países do Norte de África e Europa.

Conhecido pelas suas afirmações polémicas, já anunciou várias vezes em público ser capaz de curar a SIDA com o uso de ervas medicinais. Apesar de ter banido a mutilação genital da Gâmbia, defendendo que não existe espaço para esta prática violenta na “sociedade moderna ou no Islão”, Jammeh jurou que iria cortar as gargantas de todos os homossexuais, anunciando também que iria introduzir leis — mais rigorosas que as iranianas — que proibissem a homossexualidade na Gâmbia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO