Rádio Observador

Triatlo

Vanessa Fernandes anuncia regresso ao triatlo com os olhos postos em Tóquio2020

172

A portuguesa Vanessa Fernandes, medalha de prata nos Jogos Olímpicos Pequim2008 anunciou, em conferência de imprensa, o regresso ao triatlo, apontando já à presença em Tóquio 2020.

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

 

A portuguesa Vanessa Fernandes, medalha de prata nos Jogos Olímpicos Pequim2008, anunciou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, o regresso ao triatlo, apontando já à presença em Tóquio2020.

Quero voltar à modalidade onde cresci e onde tive momentos que já mais irei esquecer. Oito anos depois volto inteira, com um sonho que tem um nome: Tóquio2020″, disse.

Após vários anos sem competir no triatlo, a atleta do Benfica não quer, neste momento, estabelecer objetivos para os Jogos Olímpicos de 2020. “Antes de Tóquio vai haver imensa coisa. O objetivo principal é lá estar. Só daqui a dois anos posso afirmar o que posso fazer em Tóquio”, afirmou a atleta, de 31 anos.

Uma das atletas portuguesas mais medalhadas (e precoces), Vanessa Fernandes, que também se tem distinguido no duatlo (ciclismo e corrida), experimentou a modalidade ainda em miúda, inspirada por Fernanda Ribeiro e incentivada pelo pai, o ciclista Venceslau Fernandes, vencedor da Volta em 1984.

Recebeu a primeira bicicleta, ainda com rodinhas, aos 3 anos e aos 4, reza a lenda familiar, já pedalava até à oficina de bicicletas do pai, a um quilómetro de casa. Aos 6 começou na natação; três anos mais tarde, entrou na primeira prova de atletismo – e na segunda e na terceira. Não conseguiu – nem lhe pediram que o fizesse – escolher uma só, portanto nunca mais deixou de praticar as três modalidades. E ainda conseguiu aprender flauta transversal nos tempos mortos.

Saía-se tão bem (no desporto, não na música) que com apenas 15 anos deixou a família e Perosinho, perto de Vila Nova de Gaia, e mudou-se para o Centro de Alto Rendimento do Jamor, nos arredores de Lisboa.

Aos 16 começou a competir a sério, com 17 ganhou a primeira medalha europeia de bronze, a que em poucos anos juntou mais umas boas dezenas delas. Quando, no dia 18 de Agosto de 2008, se sagrou vice-campeã olímpica de triatlo, saber-se-ia depois, já estava doente e em tratamento.

Na altura falou-se em distúrbios alimentares e psicológicos e houve mesmo quem lhe tivesse adivinhado o fim quando, em 2009, resolveu abandonar o Jamor e Sérgio Santos, o treinador de sempre e à data diretor técnico da federação, para regressar a casa.

Não acertaram, mas quase: em Perosinho, depois de nas primeiras semanas ainda ter feito um esforço para treinar, começou a inventar desculpas para não o fazer e a desaparecer durante dias a fio. E noites também: começou a sair para discotecas, a beber de forma descontrolada, já não queria fazer desporto nem ganhar medalhas, dizia à irmã e aos amigos – só ser uma pessoa normal, ter um emprego normal.

Em Fevereiro de 2011, o Benfica revelou ao país que a atleta tinha decidido finalmente interromper a carreira.

Por razões de saúde que me têm impedido nos últimos meses de me dedicar à prática da modalidade que abracei e que tantas alegrias me proporcionou, queria comunicar-vos a minha intenção de interromper temporariamente a prática desportiva. Não se trata de um abandono, mas apenas de uma interrupção temporária que me permita regressar em pleno dentro de pouco tempo. Espero que compreendam as minhas razões e entendam a dificuldade do momento que atualmente vivo. Sei que vou conseguir voltar e que esta fase representa apenas um curto intervalo na minha carreira desportiva.”

Parou para tratar a mente e o corpo, teve acompanhamento psiquiátrico, deixou passar os Jogos de 2012, recomeçou a treinar e a competir em provas de atletismo, nada de triatlo – a ideia era aliviar a pressão. Até que em 2015 tentou a maratona e conseguiu os mínimos para o Rio2016.

Foi na Cidade Maravilhosa, para onde viajou na qualidade de suplente de Sara Moreira, Jéssica Augusto e Dulce Félix, na prova maior do atletismo, que deu o primeiro sinal de que estava pronta para regressar à ribalta .

Voltar como participante? Claro que sim. É por isso que eu estou aqui. Isto acaba por ser uma inspiração para mim, acaba por ser um sinal e uma porta que eu agarro com muita força para estar daqui a quatro anos com mérito, mas para competir, mesmo.”

Agora, seis meses depois, decidiu finalmente voltar à modalidade que tantas vitórias lhe deu – e em que já não compete há oito anos. Só não quer dar um passo maior do que a perna e estabelecer já objetivos: “Antes de Tóquio vai haver imensa coisa. O objetivo principal é lá estar. Só daqui a dois anos posso afirmar o que posso fazer em Tóquio”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)