Hungria

JSD condena Órban por encerrar universidade de Soros

340

JSD critica partido de Viktor Orbán, da mesma família política do PSD, dizendo que o Governo húngaro está a violar a carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. E promete que não se vai calar.

A JSD emitiu esta quinta-feira um comunicado a condenar o Governo húngaro de Viktor Orbán — líder do partido irmão do PSD na Hungria — pelo “atropelamento à liberdade de investigação científica e académica num país da União Europeia“, o que pode constituir, denunciam os jovens sociais-democratas, uma “violação da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia”.

Na última-terça-feira, o Parlamento húngaro aprovou um projeto de lei para que a Universidade da Europa Central — CEU, instituição financiada pelo seu inimigo e multimilionário George Soros — fosse encerrada. A nova lei exige que instituições académicas que recebem financiamento de países de fora da União Europeia tenham sede e atividade no país de origem. Ora, a CEU, fundada em 1991, está registada em Nova Iorque, mas não tem campus universitários nos Estados Unidos, sendo assim forçada a fechar portas se não criar uma instituição em solo norte-americano.

A JSD lembra que esta é “uma questão que já mereceu o reparo do Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, que exortou as autoridades húngaras a absterem-se de qualquer decisão que restrinja a liberdade científica e académica e prejudique a reputação académica e as relações da Hungria com os parceiros da União Europeia“. No mesmo texto, a juventude social-democrata denuncia que “limitar ou condicionar, seja de qualquer forma, a liberdade dentro do espaço da União Europeia contraria frontalmente a defesa dos valores da União a que estão obrigados todos os seus Estados-membros.”

Ao Observador, a secretária-geral da JSD, Margarida Balseiro Lopes, considera “inacreditável o que se está a passar na Hungria” e garante que a juventude partidária “não se vai silenciar“. “Se a situação se agravar, o Governo húngaro continuar a restringir outro tipo de liberdades, podemos avançar com outro tipo de iniciativas”, acrescentou a também deputada do PSD.

Margarida Balseiro Lopes acrescenta, “caso existissem dúvidas, as declarações do ministro da Educação húngaro, demonstram que o objetivo era mesmo atingir George Soros”. O governante com a pasta da Educação na Hungria, Zoltan Balog, acusou Soros na terça-feira de querer “influenciar a política na Hungria através de organizações pseudo-cívicas que, na realidade, agem como agentes estrangeiros, criticando o governo legal do país”.

Sobre o facto do partido do Governo ser o Fidesz — partido irmão do PSD e da mesma família europeia, o Partido Popular Europeu — a secretária-geral da JSD não se sente minimamente melindrada. “O facto de ser um partido da família do PSD não se sobrepõe aos nossos valores e à defesa dos Direitos Humanos“, explicou a dirigente da “jota” do PSD. Além disso, lembra que “toda a bancada do PSD aprovou há um mês e meio um voto de condenação do Bloco de Esquerda a condenar a forma como o Governo húngaro detém refugiados e imigrantes que entram nas suas fronteiras”.

Margarida Balseiro Lopes acrescenta ainda que “ao contrário dos partidos de esquerda que tentam branquear aquilo que se passa nos países onde os partidos da mesma família política cometem atos semelhantes, como é o caso do Syriza na Grécia ou do Podemos que atacou a comunicação social em Espanha e sobretudo na Venezuela, nunca nos verão a ter atitudes semelhantes.”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PS

O terrível regresso da "Europa da troika" /premium

Miguel Pinheiro

Nas eleições europeias, o PS é contra a "Europa da troika", contra a "Europa dos populistas" e contra a "Europa do Brexit". Ou seja: é uma soma de confusões, contradições e baralhações.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)