Rádio Observador

Hungria

JSD condena Órban por encerrar universidade de Soros

340

JSD critica partido de Viktor Orbán, da mesma família política do PSD, dizendo que o Governo húngaro está a violar a carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. E promete que não se vai calar.

A JSD emitiu esta quinta-feira um comunicado a condenar o Governo húngaro de Viktor Orbán — líder do partido irmão do PSD na Hungria — pelo “atropelamento à liberdade de investigação científica e académica num país da União Europeia“, o que pode constituir, denunciam os jovens sociais-democratas, uma “violação da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia”.

Na última-terça-feira, o Parlamento húngaro aprovou um projeto de lei para que a Universidade da Europa Central — CEU, instituição financiada pelo seu inimigo e multimilionário George Soros — fosse encerrada. A nova lei exige que instituições académicas que recebem financiamento de países de fora da União Europeia tenham sede e atividade no país de origem. Ora, a CEU, fundada em 1991, está registada em Nova Iorque, mas não tem campus universitários nos Estados Unidos, sendo assim forçada a fechar portas se não criar uma instituição em solo norte-americano.

A JSD lembra que esta é “uma questão que já mereceu o reparo do Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, Carlos Moedas, que exortou as autoridades húngaras a absterem-se de qualquer decisão que restrinja a liberdade científica e académica e prejudique a reputação académica e as relações da Hungria com os parceiros da União Europeia“. No mesmo texto, a juventude social-democrata denuncia que “limitar ou condicionar, seja de qualquer forma, a liberdade dentro do espaço da União Europeia contraria frontalmente a defesa dos valores da União a que estão obrigados todos os seus Estados-membros.”

Ao Observador, a secretária-geral da JSD, Margarida Balseiro Lopes, considera “inacreditável o que se está a passar na Hungria” e garante que a juventude partidária “não se vai silenciar“. “Se a situação se agravar, o Governo húngaro continuar a restringir outro tipo de liberdades, podemos avançar com outro tipo de iniciativas”, acrescentou a também deputada do PSD.

Margarida Balseiro Lopes acrescenta, “caso existissem dúvidas, as declarações do ministro da Educação húngaro, demonstram que o objetivo era mesmo atingir George Soros”. O governante com a pasta da Educação na Hungria, Zoltan Balog, acusou Soros na terça-feira de querer “influenciar a política na Hungria através de organizações pseudo-cívicas que, na realidade, agem como agentes estrangeiros, criticando o governo legal do país”.

Sobre o facto do partido do Governo ser o Fidesz — partido irmão do PSD e da mesma família europeia, o Partido Popular Europeu — a secretária-geral da JSD não se sente minimamente melindrada. “O facto de ser um partido da família do PSD não se sobrepõe aos nossos valores e à defesa dos Direitos Humanos“, explicou a dirigente da “jota” do PSD. Além disso, lembra que “toda a bancada do PSD aprovou há um mês e meio um voto de condenação do Bloco de Esquerda a condenar a forma como o Governo húngaro detém refugiados e imigrantes que entram nas suas fronteiras”.

Margarida Balseiro Lopes acrescenta ainda que “ao contrário dos partidos de esquerda que tentam branquear aquilo que se passa nos países onde os partidos da mesma família política cometem atos semelhantes, como é o caso do Syriza na Grécia ou do Podemos que atacou a comunicação social em Espanha e sobretudo na Venezuela, nunca nos verão a ter atitudes semelhantes.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)