Carreira

Estudo revela que Portugal é o país que mais valoriza a profissão

Portugal é o país onde a valorização da carreira profissional é mais importante do que a dedicação às tarefas domésticas, de acordo com um estudo feito em 20 países e que será divulgado em Lisboa.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal é o país onde a valorização da carreira profissional é mais importante do que a dedicação às tarefas domésticas, de acordo com um estudo feito em 20 países que será divulgado esta sexta-feira em Lisboa.

O estudo Global Home Index, desenvolvido com o apoio das Nações Unidas, visou perceber com que frequência os inquiridos se dedicam às tarefas da casa, como é feita a divisão dessas tarefas e “como se valoriza e se vive nos vários países a realidade diária do trabalho necessário para construir uma casa de família”.

Segundo o estudo, realizado pela Home Renaissance Foundation do Reino Unido, Portugal foi o país que obteve a percentagem mais elevada de valorização da carreira profissional (79% das mulheres e 67% dos homens) ‘versus’ as tarefas da casa, seguido de Itália (67% dos homens e 50% das mulheres).

Os valores mais baixos encontram-se no Quénia (36% das mulheres e 28% dos homens), adiantam as conclusões do estudo, que pretende “sensibilizar as pessoas para o valor do seu próprio trabalho como contribuição para o desenvolvimento humano”.

Os resultados do estudo, que serão apresentados pela investigadora Patricia Debeljuh, diretora do Centro de Conciliação Família e Empresa em Buenos Aires, apontam que mais de 80% de homens e mulheres entendem ser importante realizar as tarefas domésticas.

Em todos os países envolvidos no estudo são as mulheres quem gasta mais tempo nas lides domésticas, entre 14 a 23 horas semanais, enquanto os homens gastam entre seis a 17 horas. Os argentinos são os que dedicam mais tempo a estas tarefas, com as mulheres a empregar 23 horas semanais e os homens 16 horas.

Em Portugal, as mulheres dedicam 15 horas por semana a estas tarefas e os homens dez horas, refere o estudo, que aponta os italianos com os que aplicam menos horas aos trabalhos domésticos (nove horas as mulheres e seis horas os homens). Mais de metade (53%) das mulheres e 60% dos homens inquiridos entende que não dedica tempo suficiente às tarefas da casa e apenas 20% disseram distribuir as tarefas da casa pelos restantes membros da família.

As conclusões do estudo mostram que as mulheres dos 20 países (Argentina, Bolívia, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, Espanha, Estados Unidos, Filipinas, Guatemala, Itália, Quénia, México, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido e Uruguai) são quem mais se ocupa diretamente da arrumação de casa, com valores entre os 20% a 49%, contra 1% a 44% dos homens.

Também são as mulheres que mais de encarregam das compras necessárias para a casa, com valores a variar entre os 39% a 85%, enquanto nos homens estes valores descem para 1% a 60%. Para a investigadora Patricia Debeljuh, “a realidade indica que as tarefas da casa são invisíveis, não quantificáveis, não entram nas contas públicas de nenhum país e estão pouco valorizadas”.

A investigação teve o apoio do Centro Walmart Conciliação Família e Empresa (CONFyE) do IAE Business School da Argentina e do Centro Cultura, Trabalho e Cuidado do INALDE Business School da Colômbia. Em Portugal, são parceiros deste estudo a BeFamily — Better Families, Better Companies e a APFN — Associação Portuguesa das Famílias Numerosas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos
431

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Psicologia

Porque os Vascos… esses são felizes! /premium

Teresa Espassandim

Há dias, quando revisitava o clássico “A Canção de Lisboa”, não pude deixar de me lembrar do Pedro [nome fictício] e da sua triste história. Da ficção à realidade nem sempre vai uma grande distância.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)