Um tribunal da Relação holandês reiterou esta terça-feira a condenação do Governo holandês por culpa parcial pela morte de cerca de 300 bósnios muçulmanos, assassinados pelas forças sérvias da Bósnia no massacre de Srebrenica em 1995.

A decisão desta terça-feira reitera largamente a sentença decidida em primeira instância pela justiça holandesa em 2014, que atribuiu ao Estado holandês a responsabilidade pela morte dos homens bósnios muçulmanos que foram entregues pelos capacetes azuis holandeses às forças bósnias sérvias em julho de 1995 e mortos posteriormente.

O presidente do coletivo do tribunal da Relação de Haia que julgou o recurso, o juiz Gepke Dulek, deixou claro, de acordo com a agência Associated Press, que o facto dos soldados holandeses afetos às Nações Unidas terem feito os homens e outros refugiados abandonar o complexo da ONU onde tinham procurado abrigo “retirou-lhes a hipótese de sobrevivência”.

Os cerca de trezentos homens expulsos fazem parte dos cerca de 8 mil homens e rapazes bósnios muçulmanos mortos pelas forças sérvias da Bósnia no pior massacre na Europa desde a Segunda Guerra.