Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os socialistas admitem avançar com uma proposta de mudança no Código do Trabalho que trave futuras tentativas de transferência de trabalhadores entre empresas que os possam penalizar, avança o jornal Público. Uma ideia que surge numa altura em que são conhecidos os recentes protestos dos colaboradores da PT Portugal, que se queixam dessa prática, e na sequência do relatório da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que acusa a operadora, entre várias irregularidades, de assédio e pressão sobre os trabalhadores.

O relatório é, aliás, um dos pretextos para uma reunião entre o PS e o Governo, durante a próxima semana, na qual serão avaliadas as mais de cem irregularidades e infrações denunciadas pela entidade que fiscaliza as condições de trabalho. Entre as medidas em estudo encontra-se a possibilidade de alteração do Código do Trabalho na parte que respeita ao mecanismo da “transmissão de empresa ou estabelecimento” – uma prática que estará a ser seguida na PT Portugal.

O objectivo, explicou o deputado do PS e coordenador da área no Parlamento, Tiago Barbosa Ribeiro, ao mesmo jornal, “é garantir que os abusos identificados não se repetem e que estes em concreto são punidos à luz da legislação em vigor”, mesmo que isso implique “tomar medidas por via legislativa ou por outra”, reforçou. O caso da empresa controlada pela Altice seria apenas um caso que se enquadra nesta necessidade de reforçar a proteção dos direitos dos trabalhadores.

Recorde-se que, no caso da PT Portugal, dona de marcas como o Meo e o Sapo, os sindicatos acusam a operadora (agora liderada por Cláudia Goya) de recorrer à figura legal de transmissão de empresa ou estabelecimento para, de forma encapotada, promover um despedimento coletivo – uma prática que estará a afetar cerca de 155 trabalhadores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR