Rádio Observador

Autárquicas 2017

“A CDU ainda vai perder a Coreia do Norte para o PS”. Os memes de reação às autárquicas

1.010

As eleições autárquicas deste domingo deixaram muitos eleitores colados aos ecrãs dos computadores. À medida que foram conhecidos os resultados, piadas e críticas encheram as redes sociais.

Uma prisão em Oeiras, sugerem alguns eleitores

@manueldedeus/Twitter

As eleições autárquicas deste domingo deixaram muitos eleitores colados aos ecrãs das televisões… e dos computadores. Ao longo de toda a noite, e à medida que se conheceram os resultados, piadas e críticas encheram os feeds das redes sociais. Já na noite eleitoral reunimos alguns dos melhores memes neste artigo. De Inês de Medeiros em Almada ao saque de câmaras comunistas por parte do PS, sem deixar de lado a prisão que vai ser montada em Oeiras, espreite como a criatividade andou à solta.

Almada

A candidata do PS a Almada, Inês de Medeiros, venceu as eleições para a Câmara Municipal e tirou da governação à CDU, que desde 1976 vencia em Almada. A candidata pode ter ficado muito surpreendida, mas nas redes sociais as reações mostram-nos que não foi a única.

Aliás, a CDU foi quem mais perdeu na noite de domingo. Ao todo foram nove câmaras historicamente comunistas que passam agora para executivos socialistas. Nem esse pormenor escapou à internet.

Oeiras

Também a candidatura de Isaltino Morais a Oeiras foi centro de várias atenções. Não faltaram piadas sobre a passagem pela prisão do presidente eleito, mas também de figuras desconhecidas que apareceram na hora da vitória.

Ah, não sabe quem é? Falamos deste senhor:

Uma passagem por Sintra:

Lisboa

O CDS-PP de Assunção Cristas registou “uma noite histórica”, nas palavras da líder centrista. Melhorou a sua presença nas juntas de freguesia e conquistou algumas câmaras em coligação mas as atenções estiveram centradadas em Lisboa.

Cristas ultrapassou a candidata do PSD, Teresa Leal Coelho, e conseguiu a maior votação centrista, 20,6%, dos votos na capital. Mas há quem não se esqueça que apoiou a candidatura de Ágata a Castanheira de Pêra (onde perdeu).

Claro que a derrota do PSD e de Passos não passou despercebida.

Também houve quem não percebesse nada do que se estava a passar ao longo da noite de domingo.

Alguns eleitores dividiram as atenções para com a realização do referendo de independência da Catalunha e aproveitaram o Twitter para reforçar o nível de ironia.

Piadas à parte, a noite revelou mesmo resultados históricos. O PS reforçou a liderança a nível autárquico, o BE elegeu um vereador para Lisboa e Rui Moreira conquistou a maioria absoluta no Porto. A derrota é partilhada entre a CDU (PCP-PEV) e o PSD, cujo líder Pedro Passos Coelho “pondera” recandidatar-se à liderança do partido. Recorde os resultados eleitorais de domingo no nosso interativo e perceba quem perdeu e ganhou nestas eleições autárquicas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)