Belmiro de Azevedo

Era uma vez a fortuna de Belmiro de Azevedo na lista da Forbes

103

Na última lista divulgada pela Forbes, Belmiro de Azevedo tinha uma fortuna estimada de 1,26 mil milhões de euros. Era um dos três portugueses a ocupar a lista dos homens mais ricos do mundo.

LUSA

Nunca abaixo dos 840 milhões de euros e nunca mais do que 2,1 mil milhões de euros, de acordo com a lista dos mais ricos da revista Forbes. É este o valor de referência na história da fortuna do empresário e principal acionista do grupo Sonae, Belmiro de Azevedo — que morreu esta quarta-feira com 79 anos –, durante a última década. O valor máximo da sua fortuna nos últimos dez anos foi atingido em 2014, o que valeu a Belmiro de Azevedo o 687º lugar na lista dos mais ricos da Forbes.

Na última lista divulgada pela revista norte-americana, em 2017, Belmiro de Azevedo surge na posição 1.376, com 1,26 mil milhões de euros de património. Dez anos antes, em 2007, a fortuna do líder da Sonae era superior em 640 milhões de euros. Belmiro de Azevedo, com uma fortuna de 1,9 mil milhões de euros, ocupava a posição 407 — a posição em que esteve mais perto do pódio, apesar de, em 2008 e 2012, ter sido detentor de uma fortuna muito superior: 1,68 mil milhões de euros.

No ano seguinte, o dono da Sonae desceu 198 lugares para a posição 605, com uma fortuna avaliada em 1,68 mil milhões de euros. Para o ano de 2009, não há informação referente ao valor da fortuna da Belmiro de Azevedo.

No virar da década, em 2010 e 2011, o empresário e engenheiro químico teve valores semelhantes: cerca de 1,26 mil milhões de euros. O único número que variou foi o lugar de Belmiro de Azevedo no ranking: em 2010 estava no 655º lugar e em 2011 ocupava o 833º.

Foi em 2012 que o dono da Sonae atingiu o valor mais baixo dos últimos 10 anos: 840 milhões de euros. Este valor valeu-lhe um dos lugares mais baixos no ranking também na última década: 1153ª posição — valor só ultrapassado em 2017, quando atingiu a posição 1376.

Até 2014, o bolso do líder da Sonae não parou de encher. Depois de ter tido um valor tão baixo como o de 2012, no ano seguinte o património de Belmiro de Azevedo cresceu 380 milhões de euros, atingindo os 1,22 mil milhões de euros e a posição 1.024 — já não atingia uma posição tão alta desde 2011. Em 2014, a conta continuou a ser de somar: mais 88 milhões de euros. Nesse ano, o líder da Sonae tinha 2,1 mil milhões de euros — um valor que valeu a Belmiro de Azevedo o 687º lugar na lista dos mais ricos da Forbes.

Inversamente, desde aí a fortuna de um dos homens mais ricos de Portugal não parou de diminuir. De 2016 — em que ocupou a posição 1.121 da lista, com 1,35 mil milhões de euros — para 2017, a fortuna do dono da Sonae perdeu cerca de 90 milhões de euros e desceu 255 lugares, a contabilizar 1,26 mil milhões. Maior foi a descida de 2015 para 2016. Em 2015, a valor atribuído pela revista Forbes à fortuna de Belmiro de Azevedo era muito superior: 1,68 mil milhões de euros.

E em Portugal? Belmiro de Azevedo (quase sempre) no pódio

Na lista dos homens mais ricos em Portugal publicada pela revista EXAME, os valores variam sensivelmente. De acordo com a lista, nos últimos dez anos a fortuna de Belmiro de Azevedo atingiu o valor mais alto em 2007, com 2.989,3 milhões de euros. Foi também a única vez, durante a última década, em que teve o título de “homem mais rico de Portugal”.

Tal como é também revelado pelos valores calculados pela Forbes, foi em 2012 que o património do líder da Sonae atingiu o valor mais baixo dos últimos 10 anos: 680 milhões de euros — um valor que o tirou do pódio. Colocando de parte os dois anos em que foram atingidos o valor mais baixo e mais alto, nos anos que se seguiram, até 2017, os valores variaram entre 1,15 e 1,72 mil milhões. Também os lugares ocupados na lista foram mudando: Belmiro de Azevedo esteve quase sempre no pódio, exceto em 2017, 2016, 2013 e 2012 em que ficou com o quarto lugar.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Morte

Xutos & Pontapés na Igreja e no Estado

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.072

Não podendo o Parlamento honrar todos os cidadãos falecidos, é razoável que reserve as suas homenagens para os portugueses que mais se distinguiram pelo seu saber e serviço à comunidade.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)