G20

Polícia alemã lança operação contra suspeitos por distúrbios na Cimeira G20

A polícia alemã lançou uma operação de busca a 24 casas e edifícios para encontrar os responsáveis pelos distúrbios durante a cimeira do G20, em julho. Mais de 60 processos já foram instaurados.

FILIP SINGER/EPA

A polícia alemã realizou esta terça-feira buscas a 24 casas e edifícios em várias cidades do país para localizar os alegados responsáveis pelos distúrbios ocorridos durante a Cimeira do G20, em Hamburgo, no passado mês de julho.

A operação policial realizou-se, nas últimas horas, nas cidades de Hamburgo, Gotinga, Bona, Colonia, Estugarda e Neuwied. As buscas começaram esta terça-feira de manhã nas casas dos alegados responsáveis e nos “centros” que servem de base aos militantes de extrema-esquerda alemães.

Em Hamburgo, a polícia fez uma busca à residência de Deniz Ergun, um dos líderes do grupo “Roten Aufbau Hamburgo”, composto por sessenta militantes e que se encontra sob vigilância das autoridades. Segundo a polícia, o grupo político de Hamburgo fez “vários apelos à violência” durante a Cimeira do G20.

Ergun, de acordo com as autoridades, foi um dos organizadores do protesto que marcado pelos confrontos com as forças policiais, no passado dia 7 de julho. Até ao momento, mais de sessenta processos judiciais foram instaurados contra manifestantes, supostamente responsáveis por “desordens” em Hamburgo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)