Rádio Observador

Redes Sociais

Oferta de emprego anunciada pelo Burger King marcada pela polémica

A Burger King em Espanha publicou um anúncio com uma suposta oferta de emprego, mas, afinal, seria só um golpe publicitário. Publicação gerou polémica e muitas críticas nas redes sociais.

Getty Images

A Burger King espanhola publicou este domingo um anúncio onde se podia ler que procuravam colaboradores para fazer as entregas ao domicílio. Mas, aquilo que parecia ser um anúncio de emprego, gerou polémica e indignação nas redes sociais.

“Valorizam-se aptidões musicais e de canto”, lia-se na publicação feita no Facebook da companhia espanhola. Mas, segundo o jornal El País, foram os requisitos que causaram maior indignação: entre estudos superiores ou similares, encontravam-se também os conhecimentos de literatura, matemática, política, e outras temáticas de cultura geral e ainda “habilidades lúdicas”, como destreza em videojogos.

Si tienes todos estos requisitos… ¡Atrévete!

Posted by Burger King España on Monday, December 11, 2017

No anúncio, contudo, e escrito nas famosas “letras pequenas”, está a resposta para as muitas interrogações: aí se lê a indicação de que “esta oferta de emprego pertence à campanha Play for the Whopper”.

Quem viu o anúncio não ficou indiferente e parece que era mesmo esse o objetivo da empresa. A responsável do departamento de Marketing, Bianca Shen, explicou à Verne, por telefone, que “é um anúncio, não uma oferta de emprego, e faz parte de uma campanha publicitária”.

Está a causar polémica e era isso que esperávamos. Estamos contentes. Somos trending topic graças a este anúncio e está a ir bastante bem”, disse Shen.

As redes sociais rapidamente foram inundadas de publicações com comentário negativos relativamente à suposta oferta de emprego. Quem viu o anúncio pensou tratar-se de uma proposta real, até mesmo o deputado do Podemos Íñigo Errejón, que diz “Não sabia que se podia cantar e jogar vídeo jogos enquanto se conduz. O que sei é que podiam começar a pagar salários dignos”.

“Aqui um empregado do Burger King aponta o teu pedido”, escreve um utilizador.

A conta de Twitter que diz ser “contra a máfia dos políticos espanhóis”, escreveu que, assim sendo, com aqueles requisitos, “metade dos nossos políticos não tinha nível para trabalhar no Burger King”.

Os comentários nas redes sociais não coincidem com a interpretação da porta-voz da empresa, contudo, esta considera que a polémica não vai afetar a companhia de forma negativa.

Creio que não se vai repercutir de forma negativa. É parte de uma campanha que se chama Play for the Whopper, que desvendaremos esta quarta-feira, dia 13 de dezembro”, afirmou Shen, adiantando apenas que a campanha “está centrada na entrega ao domicílio”.

Shen reforça que os requisitos para ser colaborador da empresa não são aqueles, mas só as “letras pequenas” indicam que o anúncio faz realmente parte de uma campanha publicitária, letras estas que, nas redes sociais, são quase impercetíveis.

Os utilizadores não ficaram indiferentes e teceram críticas à empresa espanhola.

“Já era hora de te trazerem um hamburguer do Burger King a casa e poderes perguntar ao empregado qual a sua opinião dobre a geração de 98”, diz outro utilizador.

Há cerca de um ano, a mesma companhia vivia uma polémica semelhante, devido a um comunicado em que assegurava que iam alterar o nome Burger King para espanhol.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)