Rádio Observador

Canadá

Foi encontrado (mais) um pé humano numa praia do Canadá

367

Desde 2007 que aparecem pés humanos calçados com ténis na região da Columbia Britânica, no Canadá. Na semana passada foi encontrado um outro pé. O fenómeno já não é estranho para os residentes.

Na passada quinta-feira foi encontrado um pé humano na região da Columbia Britânica, no Canadá. Desde 2007, já apareceram 12 pés amputados e calçados na zona do Estreito da Geórgia.

Este achado foi feito por um cão, Taz, que passeava ao largo da praia com o seu dono Mike Johns. O dono seguiu o animal e descobriu então a tíbia, a fíbula e um pé esquerdo humano calçado com uma meia branca e ténis pretos de corrida, segundo o jornal The New York Times.

“É só uma coisa estranha que costuma acontecer aqui”, disse Johns, de 56 anos, que, depois de ter encontrado os ossos, chamou a polícia. Os restos foram recolhidos pelas autoridades para tentarem “identificar uma amostra de ADN”.

Joshua Constandinou, dono de um café ali perto, diz que os residentes não ficaram chocados com a descoberta. “No início parecia mais estranho, mas agora acontece tantas vezes”, contou Constandinou.

O proprietário do café diz que as pessoas percebem que a ciência pode explicar este estranho fenómeno. “Para mim faz sentido que se um corpo está no oceano e se decompõe, acabamos com um sapato a flutuar e um tornozelo que se desconecta da tíbia e da fíbula”, afirmando que é isso que se tem encontrado nas praias.

O fenómeno começou em 2007

Há 10 anos, Ashley C., uma menina de 12 anos, estava a dar um passeio pela praia quando tropeçou numa sapatilha azul e branca, de tamanho 46, arrastada pela água, segundo o jornal El Mundo. Quando pegou naquilo que pensava ser apenas um sapato, apercebeu-se de que estava ali também um pé direito.

O incidente levou a polícia a fazer buscas no sentido de encontrar o resto do corpo, mas acabaram sem qualquer resultado. Seis dias mais tarde, um outro pé foi encontrado na ilha Gabriola, não muito longe dali. Desta vez, a sapatilha era da marca Reebok, tamanho 46 e pertencia a um homem.

Entre 2008 e 2012 surgiram outros tantos casos semelhantes e, quando se pensava que o fenómeno tinha terminado, em 2014, aparece um outro pé, mais dois em 2016 e o mais recente agora em 2017.

As teorias

Muitas teorias têm surgido sobre o que pode estar a causar estas descobertas macabras naquela zona. Desde as vítimas do tsunami em 2004, até a um acidente de avião, a população tem tentado encontrar explicações coerentes para o fenómeno.

Já se percebeu que estes restos humanos são arrastados pelas águas até àquela zona, mas o mais estranho então é por que razão estas partes de corpos humanos não começaram a aparecer mais cedo. As autoridades apontam para que a causa mais provável para o fenómeno não ter começado antes está no tipo de ténis utilizado — o calçado mais moderno tem uma maior flutuabilidade, tendo a capacidade de arrastar os pés, o que não acontecia com o calçado utilizado antigamente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)