Na passada quinta-feira foi encontrado um pé humano na região da Columbia Britânica, no Canadá. Desde 2007, já apareceram 12 pés amputados e calçados na zona do Estreito da Geórgia.

Este achado foi feito por um cão, Taz, que passeava ao largo da praia com o seu dono Mike Johns. O dono seguiu o animal e descobriu então a tíbia, a fíbula e um pé esquerdo humano calçado com uma meia branca e ténis pretos de corrida, segundo o jornal The New York Times.

“É só uma coisa estranha que costuma acontecer aqui”, disse Johns, de 56 anos, que, depois de ter encontrado os ossos, chamou a polícia. Os restos foram recolhidos pelas autoridades para tentarem “identificar uma amostra de ADN”.

Joshua Constandinou, dono de um café ali perto, diz que os residentes não ficaram chocados com a descoberta. “No início parecia mais estranho, mas agora acontece tantas vezes”, contou Constandinou.

O proprietário do café diz que as pessoas percebem que a ciência pode explicar este estranho fenómeno. “Para mim faz sentido que se um corpo está no oceano e se decompõe, acabamos com um sapato a flutuar e um tornozelo que se desconecta da tíbia e da fíbula”, afirmando que é isso que se tem encontrado nas praias.

O fenómeno começou em 2007

Há 10 anos, Ashley C., uma menina de 12 anos, estava a dar um passeio pela praia quando tropeçou numa sapatilha azul e branca, de tamanho 46, arrastada pela água, segundo o jornal El Mundo. Quando pegou naquilo que pensava ser apenas um sapato, apercebeu-se de que estava ali também um pé direito.

O incidente levou a polícia a fazer buscas no sentido de encontrar o resto do corpo, mas acabaram sem qualquer resultado. Seis dias mais tarde, um outro pé foi encontrado na ilha Gabriola, não muito longe dali. Desta vez, a sapatilha era da marca Reebok, tamanho 46 e pertencia a um homem.

Entre 2008 e 2012 surgiram outros tantos casos semelhantes e, quando se pensava que o fenómeno tinha terminado, em 2014, aparece um outro pé, mais dois em 2016 e o mais recente agora em 2017.

As teorias

Muitas teorias têm surgido sobre o que pode estar a causar estas descobertas macabras naquela zona. Desde as vítimas do tsunami em 2004, até a um acidente de avião, a população tem tentado encontrar explicações coerentes para o fenómeno.

Já se percebeu que estes restos humanos são arrastados pelas águas até àquela zona, mas o mais estranho então é por que razão estas partes de corpos humanos não começaram a aparecer mais cedo. As autoridades apontam para que a causa mais provável para o fenómeno não ter começado antes está no tipo de ténis utilizado — o calçado mais moderno tem uma maior flutuabilidade, tendo a capacidade de arrastar os pés, o que não acontecia com o calçado utilizado antigamente.