Rádio Observador

Financiamento dos Partidos

Financiamento partidário. Ata de comissão dos Assuntos Constitucionais finalmente divulgada

Dois meses e meio após a reunião e já depois do veto político de Marcelo, foi divulgada a ata da reunião em que são formalizadas as conclusões do grupo de trabalho no centro da polémica.

© André Correia

A ata oficial da reunião de 18 de outubro de 2017 da comissão de Assuntos Constitucionais — em que é mencionada a conclusão dos trabalhos do grupo que alterou a lei de financiamento partidário — foi publicada esta quinta-feira, depois de a polémica estalar e de o Presidente da República vetar as mudanças legislativas aprovadas em cima do Natal. O documento, consultado num primeiro momento pelo jornal Público, refere que, nessa reunião, José Silvano (PSD), coordenador do grupo de trabalho sobre “Financiamento dos Partidos e das Campanhas Eleitorais” descreveu, “de forma sucinta” as mudanças “minimalistas” introduzidas na lei que regula esta matéria. Só que não foi assim.

Foram precisos quase dois meses e meio para que se conhecesse algum documento oficial — que, ainda assim, é pouco claro relativamente ao que se passou. Os deputados já estavam sob suspeita, por terem conduzido o processo de alterações à lei de financiamento partidário de forma pouco transparente. O próprio Presidente da República chumbou o diploma, alegando “ausência de fundamentação publicamente escrutinável” nas mudanças feitas à legislação. E nada de documentos. Até esta quinta-feira.

À hora de almoço, o líder da bancada parlamentar do PS garantia que todo o processo foi feito às claras. E, numa referência à reunião de 18 de outubro, defendia a ideia de que, “quem quis, pelo menos a partir dessa data, podia ter obtido informação sobre o assunto”. Mas a ata nunca esteve disponível, apesar de ter sido aprovada e assinada pelo presidente da primeira comissão, Bacelar de Vasconcelos (PS) a 29 de novembro de 2017.

Agora, e apesar de o documento ter sido divulgado publicamente, persistem as incongruências. A ata refere que o deputado José Silvano interveio na reunião de outubro, “descrevendo de forma sucinta os trabalhos desenvolvidos por este grupo de trabalho, que procurou promover alterações minimalistas, tendo em vista o denominador comum existente” entre os vários partidos. “Desta forma, o senhor presidente [da comissão, Bacelar de Vasconcelos] anunciou que os trabalhos efetuados seriam remetidos às direções dos diferentes grupos parlamentares, para a devida apreciação”, acrescenta ainda o documento oficial sobre o segundo ponto da ordem de trabalhos da reunião.

O silêncio sobre o financiamento

Aquilo que se passou na manhã de 18 de outubro é, no entanto, diferente. No encontro, que decorreu à porta aberta, Silvano faz referência ao pedido de alterações suscitado pelo Tribunal Constitucional. Fala menos de um minuto mas nunca fala das alterações introduzidas à lei de financiamento dos partidos políticos.

Na curta intervenção, o deputado social-democrata diz o seguinte: “Nós respondemos às questões que o Tribunal Constitucional (TC) nos colocou sobre esta matéria, e praticamente só sobre elas. Acordámos nesse grupo de trabalho um conjunto de contributos que estão refletidos no documento. Encontrou-se um denominador comum em relação a estas alterações que são minimalistas e agora é conduzir isso de maneira a que elas tenham uma apreciação rápida na respetiva aprovação porque é essa a exigência do TC. Visto ter a apreciação de todos, se não há dúvidas, está tudo respondido.”

Ou seja, Silvano deixa de fora da intervenção uma referência às alterações à lei de financiamento dos partidos – que, de resto, não tinham sido solicitadas pelo presidente do TC na carta que enviou à primeira comissão. O deputado faz menção a “alterações minimalistas” quando o grupo acabara de alinhar mudanças em três leis orgânicas e uma lei ordinária, indo além daquilo que o Constitucional pedira; sublinha a existência de um “denominador comum existente” quando, na verdade, o CDS se tinha afastado da posição do grupo; e ainda sublinhava a importância de que houvesse uma “apreciação rápida” do diploma pelo Parlamento, justificando essa celeridade com uma “exigência” do tribunal (depois de o assunto ter estado mais um ano em discussão, entre a missiva do presidente do TC, Manuel da Costa Andrade, e os resultados apresentados pelo grupo de trabalho).

E não acrescentou mais informações, até porque nenhum dos deputados presentes na reunião – e havia-os de todos os partidos, à exceção do PEV e do PAN – levantou qualquer questão sobre o tema.

Esta quinta-feira, já com a polémica instalada e depois de o Presidente da República apresentar um veto político ao diploma por falta de “escrutínio” às alterações introduzidas e conhecidas subitamente na véspera da sua votação, o líder parlamentar do PS referiu-se à ata de 18 de outubro como sinal de que todo o processo de alteração legislativa foi transparente. Só que, quando César falou aos jornalistas, à hora de almoço, o documento não existia no site do Parlamento e só ao final da tarde acabaria por ficar disponível para consulta.

Por divulgar continuam as atas das nove reuniões realizadas pelos deputados que prepararam, entre outras, alterações à lei de financiamento dos partidos políticos que passam pela isenção de IVA para toda a atividade partidária, o fim do teto para a angariação de fundos por parte dos partidos políticos e a possibilidade de, em período de campanha, os partidos terem acesso livre a espaços como auditórios, salões e outros que sejam geridos por entidades públicas e Instituições Particulares de Solidariedade Social. A primeira reunião aconteceu a 26 de abril de 2017 e a última 11 de outubro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)