Política

PSD, CDS-PP e PCP frontalmente contra projeto do PS sobre cobrança de dívidas

PSD, CDS-PP e PCP manifestaram-se contra o projeto do PS sobre cobrança extrajudicial de créditos vencidos por entenderem que legaliza a procuradoria ilícita.

MÁRIO CRUZ/LUSA

PSD, CDS-PP e PCP manifestaram-se esta quinta-feira contra o projeto do PS sobre cobrança extrajudicial de créditos vencidos por entenderem que legaliza a procuradoria ilícita, invocando, inclusivamente, a discordância já manifestada pela ministra da Justiça.

Estas posições foram transmitidas em plenário, no parlamento, pelos deputados Andreia Neto (PSD), Vânia Dias da Silva (CDS-PP) e António Filipe (PCP), com o BE, por intermédio de Paulino Ascensão, a admitir com reservas a discussão sobre esta matéria em sede de especialidade.

O PS, perante uma posição maioritária no parlamento contra o seu projeto – à qual acrescem críticas provenientes das ordens dos Advogados e dos Solicitadores -, admite agora que o seu diploma, durante as votações de sexta-feira, baixe diretamente a comissão de especialidade sem votação na generalidade.

No curto debate travado em plenário, o vice-presidente da bancada socialista Pedro Delgado Alves advertiu que “nada fazer sobre esta matéria continuará a desproteger os consumidores face a uma atividade que carece de regulação” e que, muitas vezes, os expõe em relação “a práticas invasivas e agressivas”.

“Estamos perante uma prática que existe e que não se confunde com as atividades próprias dos advogados e dos solicitadores. São precisas regras claras e é necessário proibir o chamado cobrador de fraque, com práticas agressivas que fazem a vida negra aos consumidores”, sustentou.

Na resposta, a deputada social-democrata Andreia Neto classificou como “imprudente” o diploma dos socialistas, advogando que colide com o recente Pacto da Justiça e tem mesmo a discordância da própria ministra Francisca Van Dunem.

Neste contexto, Andreia Neto salientou que a cobrança de créditos vencidos só pode ser feita por via de negociações por parte dos advogados, ou por via dos tribunais.

“O PS, no fundo, quer caucionar a chantagem [de empresas de cobranças difíceis] junto dos consumidores”, acusou Andreia Neto, numa posição que foi logo depois partilhada por Vânia Dias da Silva (CDS-PP), dizendo que os socialistas pretendem “legalizar outro tipo de cobradores de fraque” na ação de cobrança de créditos vencidos.

Numa alusão à posição já manifestada pela ministra da Justiça, a deputada democrata-cristã deixou a seguinte recomendação: “Melhor faria o PS se optasse antes por se articular primeiro com o Governo socialista e abdicasse desta via ligeira”, disse.

As críticas mais duras partiram do deputado do PCP António Filipe, considerando que o PS “pretende com o diploma legalizar a procuradoria ilícita” na cobrança de dívidas.

“O PS não quer proibir o cobrador de fraque. Quer antes que o fraque mude de cobrador, que o cobrador mude de aparência”, declarou, numa nota irónica.

Para o deputado do PCP, a solução “não é tornar lícitas atividades ilícitas por parte das chamadas empresas de cobranças difíceis, com prejuízo dos advogados, e dos solicitadores e agentes de execução”.

“Não podemos apoiar esta iniciativa legislativa”, concluiu António Filipe.

Pela parte do BE, o deputado Paulino Ascensão demarcou-se do teor global do diploma do PS, mas manifestou-se disponível para discutir em sede de comissão uma “solução que contribua para melhor proteger os consumidores”.

“Não podemos continuar com este problema nos braços”, rematou o socialista Pedro Delgado Alves na sua segunda e última intervenção.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Apologia da barata /premium

Helena Matos
306

Leões, águias ou dragões? Nem pensar. Sigamos a barata. É na barata que está a questão. As baratas andam por aí numa espécie de sinal exterior da putrefaçcão dos edifícios. E do regime.

Política

Um novo partido: para quê?

Diogo Prates
221

Os portugueses para mudarem o seu sentido de voto ou para trocarem a abstenção pelo voto num partido praticamente desconhecido precisam que esse partido diga algo diferente do que os outros propõem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)