As relações entre o governo português e o angolano estão tremidas devido à Operação Fizz — embora o Presidente da República diga que “não podiam ser melhores” –, com o executivo de António Costa a suspender as visitas oficias ao país africano. Mesmo assim, o primeiro-ministro António Costa, em Davos, na Suíça, no âmbito do Fórum Económico Mundial, reuniu-se com João Lourenço, o presidente angolano. Em simultâneo, o Expresso avança este sábado que Durão Barroso, Paulo Portas e Miguel Relvas também estão a mexer-se para ajudar a reabilitar a relação entre as nações.

Também em Davos, o antigo primeiro-ministro português e ex-presidente da comissão europeia Durão Barroso reuniu-se com João Lourenço, diz a mesma publicação. Ao seu lado esteve José Luís Arnaut, amigo do presidente angolano e colega de Barroso no Goldman Sachs, que também esteve na reunião na Suíça. A tensão entre os dois países “esteve inevitavelmente na agenda”, diz o mesmo jornal.

Paulo Portas, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, também se reuniu com o chefe de estado de Angola. O encontro que tinham marcado desde setembro finalmente teve uma data e, ocorreu, “oportunamente” na semana passada. O antigo líder do CDS/PP tem defendido que o assunto não é só da Justiça, mas sim um problema entre estados.

Miguel Relvas, o antigo ministro social-democrata dos assuntos parlamentares (que abandonou o cargo graças a uma polémica com equivalências que teve no curso de licenciatura) também picou o ponto em Angola com João Lourenço, tendo-se reunido com com o presidente do país, em Luanda. E depois? Deu uma entrevista à televisão pública angolana onde pediu calma no processo e disse acreditar que Manuel Vicente é inocente.