Filipinas

Presidente das Filipinas oferece cerca de 500 dólares a quem matar um rebelde comunista

Duterte ofereceu dinheiro a quem matar um rebelde comunista do NEP. É a segunda vez em poucos dias que causa polémica: há dias, pediu aos soldados que atirem nos órgãos genitais de mulheres do grupo.

MARK R. CRISTINO/EPA

O Presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ofereceu recompensas de quase 500 dólares a quem matar um rebelde comunista do Novo Exército do Povo (NEP), informaram esta quinta-feira fontes oficiais. “Se matar um (membro do) NEP hoje, pagarei 25 mil pesos (487 dólares ou 391 euros)”, disse Duterte, de acordo com a transcrição oficial de um discurso pronunciado em Cebu, no centro do país, na quarta-feira.

“Se consegue atirar e acertar num pássaro que está a voar acima de si, como não pode acertar num NEP que tem uma cabeça maior?”, disse Duterte, arrancando o riso da audiência, e sem dar mais detalhes sobre a oferta.

O Novo Exército do Povo é uma guerrilha ativa que está nas listas de grupos terroristas das Filipinas, dos Estados Unidos e da União Europeia. O Presidente estava a responder ao líder do Partido Comunista das Filipinas, José María Sison, em exílio na Holanda, que disse na semana passada que o NEP é capaz de matar um soldado por dia.

Duterte argumentou que pagar 25 mil pesos a qualquer um que mate um terrorista seria mais barato para o estado do que financiar uma guerra contra esta organização comunista, que tem uma grande presença nas áreas rurais do país, onde muitas vezes realiza extorsões e ataques.

Os críticos do chefe de estado das Filipinas protestaram pelas suas declarações, considerando que incita a homicídios extrajudiciais como os alegadamente cometidos na sua controversa “guerra contra as drogas”, de que já terão resultado sete mil mortos, de acordo com algumas estimativas.

É a segunda vez em poucos dias que Duterte é objeto de controvérsia pelas suas declarações relacionadas com a NEP, já que, no domingo, pediu aos soldados que atirem nos órgãos genitais mulheres integrantes do grupo, o que lhe valeu a condenação organizações locais e internacionais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)