Companhias Aéreas

Trabalhadores da companhia área cabo-verdiana manifestam-se na quinta-feira

Os trabalhadores da companhia aérea pública cabo-verdiana (TACV) vão manifestar-se por discordarem das reestruturações que estão a ser feitas para preparar a privatização da empresa.

ANTONIO COTRIM/LUSA

Os trabalhadores da companhia aérea pública cabo-verdiana (TACV) manifestam-se na quinta-feira na cidade da Praia por discordarem da forma como a administração tem conduzido o processo de reestruturação para privatizar a empresa. A informação foi avançada à imprensa pelo Sindicato de Transportes, Telecomunicações, Hotelaria e Turismo (SITTHTUR), indicando que os trabalhadores ameaçam ainda com uma greve geral, caso a situação não se altere.

As decisões saíram de uma assembleia de trabalhadores, realizada no sábado, em que foi discutida a proposta de indemnização apresentada pela empresa para a rescisão por mútuo acordo, o programa de pré-reforma, condições para transferência de trabalhadores para ilha do Sal e ameaças de despedimento coletivo. Em comunicado, o sindicato indicou que durante a reunião se constatou “a existência de um clima de grande descontentamento e revolta no seio dos trabalhadores, por causa das medidas que estão a ser tomadas pela administração da empresa, ignorando completamente os trabalhadores e os seus representantes”.

“Constatou-se ainda existência de um ambiente de grande pressão, de ameaças e de intimidação dos trabalhadores por parte dos responsáveis da empresa, no sentido de impor, à força, as suas medidas”, prosseguiu, citado pela Inforpress. Durante a reunião, os trabalhadores insistiram na “reabertura urgente” do programa de pré-reforma e no cumprimento dos compromissos assumidos pela administração da empresa perante o sindicato.

O programa de adesão à pré-reforma, terminado no início de fevereiro e que deveria abranger cerca de 100 funcionários, ficou abaixo das estimativas, com os trabalhadores a manifestarem desagrado com as propostas apresentadas. Está também em negociação o valor das indemnizações dos trabalhadores que decidam rescindir por mútuo acordo, estimado pelo SITTHTUR em 50.

Neste momento está também em negociação a transferência de trabalhadores para a ilha do Sal, para onde foram transferidas todas as operações da companhia desde finais de fevereiro. No comunicado, o sindicato garantiu que os funcionários não aceitam ser transferidos sem que sejam discutidas as condições. Na semana passada, a maior central sindical cabo-verdiana (UNTC-CS) acusou a administração da TACV de estar a “agir à margem da lei” e de ignorar trabalhadores e sindicatos no processo de reestruturação para privatizar a empresa.

Esta será a segunda manifestação dos trabalhadores da TACV, depois da primeira realizada em julho do ano passado, em protesto pelo fim das operações domésticas e para exigir informação quanto a despedimentos e indemnizações. A TACV está a ser reestruturada para ser privatizada, num processo que deve implicar a saída da empresa de mais de 200 trabalhadores. O Governo anunciou que já tem uma verba de 13,3 milhões de euros para o pagamento das indemnizações.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)