Rádio Observador

Incêndios

Relatório sobre fogos de outubro entregue esta terça-feira no parlamento

O relatório de análise aos incêndios de outubro de 2017, produzido pela comissão técnica independente vai hoje ser entregue ao parlamento.

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

O relatório de análise aos incêndios de outubro de 2017, produzido pela comissão técnica independente, que integra 12 peritos e que é liderada pelo professor universitário João Guerreiro, vai ser entregue esta terça-feira ao parlamento. A data de entrega do relatório foi comunicada pelo presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, a 2 de fevereiro, na conferência de líderes parlamentares, em Lisboa.

As centenas de fogos que deflagraram no dia 15 de outubro, o pior dia de fogos de 2017 segundo as autoridades, e que atingiram 27 concelhos da região Centro, provocaram 46 mortos e cerca de 70 feridos. Estes incêndios destruíram total ou parcialmente cerca de 800 habitações permanentes, quase 500 empresas e extensas áreas de floresta nos distritos de Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Guarda, Leiria e Viseu. Esta foi a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

A comissão técnica independente já tinha apresentado um relatório quanto aos incêndios rurais de junho de 2017 na região Centro, em particular o fogo que deflagrou no dia 17 em Pedrógão Grande e que se propagou depois a vários concelhos limítrofes. O relatório final dos fogos de junho, que analisa incêndios em 11 concelhos dos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco ocorridos entre 17 e 24 de junho, refere que, apesar de o fogo de Pedrógão ter tido origem em descargas elétricas na rede de distribuição, um alerta precoce poderia ter evitado a maioria das 64 mortes registadas.

Apesar de a contabilização oficial indicar 64 vítimas mortais nos incêndios de junho, há registo de um total de 66 mortos, já que houve ainda registo de uma mulher que morreu atropelada ao fugir das chamas e uma outra que estava internada desde então, em Coimbra, e acabou também por morrer. Deste fogo resultaram ainda mais de 250 feridos. O relatório dos incêndios de junho refere também que “não foram mobilizados totalmente os meios disponíveis” no combate inicial e houve falhas no comando dos bombeiros. A GNR fica, por outro lado, ilibada de direcionar carros para a Estrada Nacional 236, onde morreram cerca de metade das vítimas.

O documento aponta falta de conhecimento técnico no sistema de defesa florestal e falta de preparação dos atuais sistemas de combate às chamas para as alterações climáticas, confirmando, por outro lado, falhas de comunicação do Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). Na sequência da divulgação do relatório, o primeiro-ministro, António Costa, afirmou que o Governo assumiria todas as responsabilidades políticas, se fosse caso disso.

Além das 112 mortes registadas nos incêndios de junho e de outubro, há registo de, pelo menos, mais cinco vítimas mortais nas regiões Norte e Centro nos fogos rurais ocorridos no último ano. Os incêndios florestais de 2017 consumiram cerca de 500 mil hectares de floresta e destruíram mais de duas mil casas, empresas e explorações agrícolas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)