Rádio Observador

CGTP

CGTP acusa governo de estar “obcecado com défice”

Arménio Carlos diz que o Governo está "obcecado com a redução do défice" e não responde aos problemas dos trabalhadores, aumentando assim o seu descontentamento.

TIAGO PETINGA/LUSA

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, afirmou esta sexta-feira em Lisboa que o Governo, “obcecado com a redução do défice” orçamental, está a originar o aumento do descontentamento dos trabalhadores porque não dá resposta aos seus problemas.

No dia em que termina a quinzena de luta dos trabalhadores da administração local, cerca de uma centena de ativistas e dirigentes sindicais concentraram-se em frente do Ministério das Finanças, tendo na ocasião o líder da CGTP dito aos jornalistas que o Governo “obcecado com a redução do défice e recusando a renegociação da dívida está a originar o aumento do descontentamento dos trabalhadores e da opinião pública”.

Os trabalhadores, porque “não veem a resposta aos seus problemas”, e a opinião pública, porque “continua a verificar que os serviços públicos, ao contrário daquilo que lhe foi prometido, em vez de melhorarem estão a ficar degradados”, lamentou o dirigente sindical.

A quinzena de luta, segundo Arménio Carlos, concluiu-se num quadro de “uma dinâmica muito forte de ligação” dos sindicatos aos trabalhadores da administração local, tendo esta concentração sido organizada pelo STAL — Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local e Regional, Empresas Públicas, Concessionárias e Afins.

O STAL entende que, apesar dos avanços verificados nos últimos anos, fruto da luta dos trabalhadores, a realidade é que os principais problemas de quem trabalha nas autarquias e no setor público “continuam sem solução”, tendo uma delegação de dirigentes sindicais entregue no Ministério das Finanças uma moção para dar a conhecer as reivindicações que querem ver resolvidas.

Nesse sentido, Arménio Carlos afirmou que é fundamental atualizar os salários dos trabalhadores da administração pública que “não são mexidos” desde 2009, que “é necessário ir mais longe nas carreiras” e que há, entre outras situações, “um grande número de trabalhadores” que ficam afastados da evolução das carreiras profissionais, além de os salários praticados serem muito baixos.

O Governo deve ainda responder às questões da precariedade que, de acordo com Arménio Carlos, continua a ser “um flagelo na administração local”.

Para a CGTP, neste momento, há um conjunto de autarquias que continuam a não responder à exigência da passagem destes trabalhadores com vínculos precários aos quadros efetivos”, o que é “inadmissível”, considerando que a maioria deles continua a desenvolver serviços permanentes, mas em muitos casos com contratos precários e outros ainda com contratos emprego e inserção, ou seja, desempregados.

Arménio Carlos, reportando-se à falta de resposta por parte do Governo às reivindicações dos trabalhadores das autarquias, considerou que “é grave porque se estão a frustrar expectativas, é grave porque se está a dar o espaço e a oportunidade à direita para por em causa os serviços públicos e reclamar a sua privatização e, por último, é grave porque os anseios e as aspirações das populações estão a sair frustrados”.

“Neste quadro, das duas uma, ou o Governo começa a governar tendo em consideração, em primeiro lugar, os trabalhadores e as pessoas e não os números, com a obsessão que tem dado mostras ou a contestação social e a luta irá aumentar nos próximos tempos”, advertiu o líder sindical.

Estas ações de luta e de informação por parte do STAL irão confluir no dia nacional de luta que se realizará em 1 de maio, o Dia do Trabalhador.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)