Rádio Observador

Espionagem

Caso Skripal. Ativistas culpam autoridades britânicas por morte de animais de estimação de ex-espião

Um gato persa e dois porquinhos-da-Índia que eram de Sergei Skripal morreram. Grupo ativista PETA acusa autoridades britânicas de nada terem feito para salvar os animais de estimação do ex-espião.

A filha de Sergei Skripal, Yulia, já se encontra bem. O ex-espião continua a recuperar

O grupo de defesa dos direitos dos animais PETA (sigla inglesa para Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais) acusa as autoridades britânicas de terem causado a morte dos animais de estimação do ex-espião russo Sergei Skripal, que foi envenenado juntamente com a filha em Salisbury, no Reino Unido. Assim que Skripal e a filha foram hospitalizados, a polícia selou o apartamento, deixando os animais no interior.

Segundo o jornal The Independent, o governo britânico já confirmou que foi encontrado no apartamento de Skripal um gato persa preto, que estava “em estado de ansiedade” e que foi eutanasiado por decisão do veterinário. No apartamento foram também encontrados dois porquinhos-da-Índia, que acabaram por morrer.

A diretora do grupo PETA, Elisa Allen, já veio lamentar as mortes e atribuir a responsabilidade às autoridades britânicas. “Estas mortes são outra tragédia nesta situação horrível, e desta vez as autoridades britânicas são, obviamente, culpadas”, afirmou Elisa Allen, citada pelo The Independent. 

“Ninguém devia ter deixado estes animais fechados dentro da casa”, declarou a responsável, sublinhando que “claramente deviam ter sido resgatados”. O grupo PETA vai pedir uma investigação para “determinar como foi permitido que isto acontecesse e para assegurar que são implementados procedimentos para impedir mais perdas de vidas”.

Sergei Skripal é um ex-espião russo que trabalhou como agente duplo para o Reino Unido. Condenado por traição pela Rússia, conseguiu estabelecer-se no Reino Unido através de um troca de espiões. Recentemente, Skripal e a filha, Yulia, que o visitava em Salisbury, onde vive, foram envenenados com um agente químico que será de fabrico russo.

O caso Skripal já provocou uma grave crise diplomática entre a Rússia e o Ocidente. Na semana passada, quase 30 países da Europa — incluindo mais de metade dos Estados-membros da União Europeia –, os Estados Unidos e Austrália, bem como a NATO, decidiram a expulsão de diplomatas russos, afetando um total de mais de 150 funcionários.

Moscovo ripostou adotando medidas idênticas em relação a um número equivalente de diplomatas desses Estados. O ex-espião continua em estado crítico, mas a filha recuperou na semana passada e está consciente e capaz de falar, segundo as autoridades britânicas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)