Lançamentos

Tome nota: estes são os lançamentos de maio

Novos livros de Agualusa e Herberto Helder, uma investigação sobre racismo em Portugal e outra sobre os filhos que os militares deixaram na guerra colonial: estes são algumas dos lançamentos de maio.

Em maio, as editoras apostaram em força na não-ficção

Getty Images/iStockphoto

Livros de ficção

A Elsinore vai editar Estou Viva, Estou Viva, Estou Viva, de Maggie O’Farrell. O livro relata 17 experiências de proximidade com a morte, sempre “num tom de memória e com um caráter literário muito presente”. Além deste, em maio, vai ainda sair Pássaros na Boca, uma coletânea de contos da argentina Samanta Schweblin. Já a Cavalo de Ferro vai publicar Sessenta Contos, do italiano Dino Buzatti, e A Lã e a Neve, um dos livros de maior sucesso de Ferreira de Castro e “um dos grandes romances da literatura portuguesa do século XX, com o estatuto de clássico intemporal”. Por seu turno, a Porto Editora vai fazer chegar às livrarias As vinhas de La Templanza, de María Dueñas, A gargalhada de Augusto Reis, de Jacinto Lucas Pires, e uma nova edição de Nó Cego, de Carlos Vale Ferraz. A Assírio & Alvim vai lançar Traçar um Nome no Coração do Branco, de Rosa Maria Alice Branco.

A Dom Quixote vai começar o mês com a reedição de um romance de Marcello Duarte Mathias. Editado pela primeira vez em 2001, A Memória dos Outros esgotou rapidamente, tendo sido distinguido com o Prémio Jacinto Prado Coelho da Secção Portuguesa da Associação Internacional de Críticos Literários e com com o Prémio D. Dinis da Fundação Casa de Mateus (ex-aequo). O livro é agora reeditado com o título Vozes e Percursos – A memória dos outros I. Em maio, a editora vai ainda lançar O Rapaz Selvagem, de Paolo Cognetti, Fora de Si, de Sasha Marianna Salzmann, Uma Pequena Sorte, de Claudia Piñeiro, e Estuário, o novo livro da escritora Lídia Jorge. “Em outros dos seus livros costuma Lídia Jorge dar rosto à modernidade para dela desocultar os seus efeitos escondidos”, refere a Dom Quixote. “Mas neste caso promete mais. Estuário pertence à categoria dos livros de premonição, através do enlace entre o desenho do futuro e a Literatura.”

A editora Cavalo de Ferro vai publicar Sessenta Contos, do italiano Dino Buzatti. A Lã e a Neve, de Ferreira de Castro, é outra das apostas da editora para este mês

A Alfaguara vai publicar O Jardim do Ogre, o romance de estreia de Leila Slimani
, vencedora do Prémio Goncourt em 2016 com Canção Doce, o seu segundo romance. Publicado dois anos antes, em 2014, O Jardim do Ogre foi galardoado com o Prémio Literário de La Mamounia, em 2015, e comparado a Madame Bovary, de Flaubert. Além deste, a editora vai também fazer chegar às livrarias Possibilidade de uma Ilha, de Michel Houellebecq, enquanto a Companhia das Letras vai reeditar As Três Vidas, obra que valeu o Prémio José Saramago a João Tordo, que lançou recentemente um novo romance, Ensina-me a Voar Sobre os Telhados. A Suma de Letras vai editar A Casa da Beleza, um livro de e Melba Escobar sobre as “relações raciais, a corrupção e os problemas do género” na sociedade colombiana.

A Relógio d’Água vai lançar uma nova edição de O Banquete, de Platão (com tradução de Maria Mafalda Viana e ilustrações de Maria Helena Vieira da Silva) e ainda O Quarto de Marte, de Rachel Kushner, A Quinta Estação, de N. K. Jemisin, Pequenos Fogos em Todo o Lado, de Celeste Ng, Confabulações, de John Berger, O Testamento Donadieu, de Georges Simenon, O Sonho de Bruno, de Iris Murdoch, e dois livros de Gonçalo M. Tavares — Livro da Dança e Dicionário Literário dos Bloom Books. A Bertrand vai editar Os Távoras, de Maria João Fialho Gouveia, e a Tinta-da-China o primeiro volume da renovada Granta, disponível a partir de 25 de maio, com publicação simultânea em Portugal e no Brasil.

O Paraíso e Outros Infernos é o novo livro de José Eduardo Agualusa. Chega às livrarias este mês, com chancela da Quetzal

Pela Quetzal vão sair Três Filhas de Erva, de Elif Shafak, A Morte da Competência, de Tom Nichols, e O Paraíso e Outros Infernos, o novo livro de José Eduardo Agualusa. “Um ‘mapa do conhecimento do presente’ que ultrapassa a fronteira do tempo e da sua contingência”, refere a editora. Além destas três obras, a Quetzal vai ainda publicar reedições de dois livros de Vergílio Ferreira, Contos e A Estrela, de Ética a Nicómaco, de Aristóteles, de Cisnes Selvagens, de Jung Chang, e ainda de Morrem mais de mágoa, de Saul Bellow. A Livros do Brasil vai acrescentar um novo volume à coleção “Vampiro”: Estrada para a Morte, de Margery Allingham, o terceiro romance policial da autora e o primeiro em que o detetive Albert Campion surge como protagonista. Um Sentido para a Vida, de Antoine de Saint-Exupéry, vai sair pela mesma editora.

A Cotovia vai publicar o quinto volume da série de teatro de Bertolt Brecht, iniciada em 2003. Teatro 5 inclui as peças “A Vida de Galileu”, “Dansen”, “Quanto custa o ferro?”, “Ti Coragem e os seus filhos”, “A condenação de Lúculo” e “A boa alma de Sichuan”. A Minotauro vão publicar Tanta Gente, Mariana e As palavras poupadas, os primeiros dois volumes da coleção “Obras completas de Maria Judite de Carvalho”, e a Saída de Emergência Fahrenheit 451, de Ray Bradbury, e O Poder, de Naomi Alderman. A Bertrand vai fazer chegar às livrarias uma nova edição de Malhadinhas, de Aquilino Ribeiro.

Livros de não-ficção

As Edições 70 guardaram cinco lançamentos para este mês de maio. O primeiro, Teoria da Literatura: Textos dos formalistas russos apresentados por Tzvetan Todorov, uma coletânea de ensaios, foi publicado originalmente em 1965, em França, e editado pela primeira vez em Portugal, pela Edições 70, em 1978, em dois volumes na extinta coleção “Signos”. O segundo é uma análise atual da situação na Coreia do Norte e é da autoria de José Manuel Duarte de Jesus. Além de uma breve história do país, Coreia do Norte: A última dinastia Kim inclui um enquadramento cultural para permitir uma melhor compreensão do “quadro de uma intriga internacional”, refere a editora. Além destas obras, serão também publicadas De fora: Uma filosofia para a Europa, de Roberto Esposito, Ética Aplicada – Animais, escrito sob a coordenação de Maria do Céu Patrão Neves e Fernando Araújo, e Infâmia e fama, O mistério dos primeiros retratos judiciários em Portugal (1869-1895), de Leonor Maria de Amorim e Sá.

Pela Fundação Francisco Manuel dos Santos vai sair, no âmbito da coleção de ensaios, A Saúde Mental dos Portugueses, de José Caldas de Almeida, e Cinema e História: Aventuras Narrativas, de João Lopes. A Dom Quixote vai editar Como Será o Futuro, um livro de Tim O’Reilly sobre a forma como as tecnologias estão a mudar a economia. A Saída de Emergência vai publicar A Estranha Morte da Europa, de Douglas Murray, e A Chegada das Trevas, de Catherine Nixey. Este último fala sobre o impacto do cristianismo na cultura clássica. “Levando os leitores ao longo do Mediterrâneo — de Roma a Alexandria, da Bitínia, no norte da Turquia, a Alexandria, e pelos desertos da Síria até Atenas –, A Chegada das Trevas é um relato vívido e profundamente detalhado de séculos de destruição”, refere a editora.

Pela Bertrand vão sair Mulheres e Poder: um manifesto, de Mary Beard. A Temas & Debates vai publicar Iludidos pelo Acaso, de Nassim Nicholas Taleb, Lamentável Mundo Novo, um livro onde Stephen D. King responde a questões relacionadas com a globalização e a história, e A Religião dos Portugueses, de Frei Bento Domingues e organização de António Marujo e Maria Julieta M. Dias, um “estudo que cruza a teologia com a literatura, a antropologia com a crítica religiosa, a sociologia com as ‘artes de ser português’”, de acordo com a editora. Já a Contraponto vai publicar Quem Meteu a Mão na Caixa?, uma investigação de Helena Garrido sobre a história recente da Caixa Geral de Depósitos.

Furriel Não É Nome de Pai é uma das apostas de não-ficção da Tinta-da-China para maio. A investigação é de Catarina Gomes

Neste mês, a Tinta-da-China decidiu apostar em força na não-ficção. A 4 de maio, é publicado De Esquerda, Agora e Sempre, um ensaio de Mark Lilla, e, no dia 5 de maio, Racismo no País dos Brancos Costumes, uma reportagem de Joana Gorjão Henriques. Além destas obras, a editora vai ainda lançar Arménia – Povo e Identidade, de António Loja Neves e Margarida Neves Pereira, O Lado B da Europa: Viagem às 28 Capitais, de Bernardo Pires de Lima, Furriel Não É Nome de Pai: Os filhos que os militares portugueses deixaram na guerra colonial, de Catarina Gomes, e ainda 46750, um livro de fotografia de João Pina.

A Porto Editora vai publicar em minúsculas, um livro que reúne as crónicas e reportagens de Herberto Helder em Angola, publicados no Notícia — Semanário Ilustrado. A investigação, digitalização, transcrição, revisão e seleção é de Daniel Oliveira (que também assina o prefácio), Diana Pimentel e Raquel Gonçalves. A Guerra & Paz vai editar Economia do Bem Comum, de Jean Tirole, Antes é que era Bom!, de Michel Serres, e Burla em Angola, Burla em Portugal, de Susana Ferrador.

Livros infanto-juvenis

Nunca Para Pior, o novo livro de Ana Saldanha, conta “o dia a dia dos alunos, dos professores, dos funcionários, das famílias e até do Gervásio, um gato que foi adotado por todos, da Escola do Segundo e Terceiro Ciclos Doutor Gervásio Antímio Rebelo de Mello e Silva Santos, vulgo Escola das Minas”. A editora é a Caminho.

A Booksmile vai publicar Como Tomar Conta de Um Professor, de Jean Reagan, e a Porto Editora Maria e Danilo e o mágico perdido, o novo livro infantil de Richard Zimler. Já a Planeta vai lançar mais um volume sobre a “Guerra das Estrelas”, Star Wars — Darth Maul.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)