Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Costa diz que Portugal devia ter estado “mais alerta a tempo e horas” para evitar Pedrógão

1.869

"É preciso que o país se habitue a não aguardar pelas tragédias para dar importância àquilo que é efetivamente estrutural", disse António Costa, que não foi convidado para a homenagem às vítimas.

Miguel A. Lopes/LUSA

Para António Costa, Portugal devia ter estado “mais alerta a tempo e horas” para evitar a tragédia dos incêndios em Pedrógão Grande, que causou 66 mortes, mais de 200 feridos e mais de 500 casas destruídas. “É preciso que o país se habitue a não aguardar pelas tragédias para dar importância àquilo que é efetivamente estrutural”, afirmou Costa. O que é “estrutural”, disse, é “a necessidade de revitalizar o interior e a necessidade de fazermos a reforma da floresta”.

Ao mesmo tempo que vamos fazendo esse trabalho de longo prazo, não podemos deixar de dar resposta no imediato àqueles que carecem dela. Preparámo-nos para o que aí vem para evitar tragédias como as do ano passado. Hoje estamos mais bem preparados, com mais equipamento, mais recursos. Mas obviamente há esses dois problemas de fundo que subsistem.”

O líder do Governo falava aos jornalistas à saída da missa celebrada este domingo na Igreja de Pedrógão Grande, a propósito da data que este domingo se assinala, de um ano passado sobre o incêndio do município. Costa disse que, desde esse dia, “foi feito um esforço de limpeza” da floresta “como não era feito há muitos anos” e garantiu que a legislação de 2006 ainda é suficiente, “havia era um incumprimento generalizado”. No entanto, “num ano não é possível limpar o que durante décadas se foi acumulando”, acrescentou.

“Logo no início da legislatura arrancámos com a unidade de missão de valorização do interior. Mas esses dois temas”, a valorização do interior e a reforma da floresta, “só ganharam visibilidade com esta tragédia”, lamentou o primeiro-ministro. Em relação às responsabilidades do Estado na tragédia, Costa afirmou que o melhor é “aguardar serenamente que o Ministério Público conclua as investigações, que a justiça cumpra os seus tempos.”

Temos um território muito extenso e um interior muito abandonado e estamos a sofrer consequências deste processo de alterações climáticas que está a criar situações de maior risco do que no passado”, defendeu.

O primeiro-ministro não foi convidado para a homenagem aos mortos e feridos, organizada pela Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande. Ao contrário do Presidente da República, que foi convidado. Costa desvalorizou: “Não vale a pena alimentar a especulação. Temos tido uma relação muito boa com a associação de vítimas e nestes momentos de dor e sofrimentos devemos respeitar a vontade e a forma como cada um quer viver os seus momentos de dor. É o respeito que devo a todas as famílias e àqueles que perderam os seus entes queridos.”

Este domingo, é um dia para recordar a memória das vítimas, sublinhou o primeiro-ministro: “É um dia de nos curvarmos pela memória daqueles que faleceram, relembrar a dor daqueles que ficaram, daqueles que perderam os seus familiares, dos que ficaram gravemente feridos e que permanecem com traumas.”

Costa destacou ainda “a força extraordinária que toda esta população tem demonstrado na reconstrução deste território”. Das primeiras habitações destruídas, “só três [pessoas] não tiveram vontade de as reconstruir” e também a a “generalidade” das empresas quis reerguer-se. “Estão aqui prontos para a luta, para reconstruir este território e a sua vida. É nesse grande esforço que temos de nos concentrar.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)