Volkswagen

VW perdoa responsável por experiências com macacos

A Volkswagen patrocinou o instituto alemão que realizou testes em animais e seres humanos para beneficiar a aceitação dos diesel. Pediu desculpa e afastou o responsável. Mas, agora, quere-lo de volta?

Dieter Zetsche (Daimler), Mathias Müller (ex-VW), Thomas Steg e Harald Krüger (BMW). Os três grandes fabricantes alemães de automóveis e a Bosch, fornecedora de todos eles, patrocinaram o EUGT para tentar provar o impossível, que os gases dos diesel - ou qualquer tipo de motor a combustão - não fazem mal à saúde

A Volkswagen viu-se envolvida numa situação no mínimo embaraçosa, uma vez que, em companhia das também germânicas Mercedes e BMW (e até a Bosch), patrocinou um organismo alemão, o Grupo Europeu para Investigação em Ambiente e Saúde no Sector dos Transportes (EUGT, em alemão), que deu provas de um sentido ético e moral duvidoso. Porquê? Porque o EUGT encomendou um estudo a um laboratório em Albuquerque, nos EUA (o  Lovelace Respiratory Research Institute), que colocou 10 macacos a inalar os fumos de escape de dois veículos com motores diesel (um moderno e outro antigo), com o intuito de provar que não fazia mal à saúde. Como se fosse possível qualquer motor de combustão (a gasolina ou diesel), mesmo aqueles pequeninos utilizados pelos pequenos carros e aviões radio-comandados, emitirem algo que faça bem à saúde!

Não contente com esta anormalidade, os estudos do EUGT não pararam por aqui e, mais grave do que isso, continuaram com seres humanos, com 19 homens e seis mulheres a serem expostos a gases de escape, para determinar os efeitos da inalação de dióxido de azoto em pessoas saudáveis.

O trabalho foi levado a cabo no hospital-universidade de Aachen, na Alemanha, e as reacções não se fizeram esperar assim que os jornais germânicos divulgaram a situação, com os grupos Volkswagen e Daimler a condenarem a forma de trabalhar do EUGT, a retirarem-lhe o apoio e a pedirem desculpas por terem patrocinado os estudos, alegando que desconheciam envolver pessoas e animais.

Apesar das dúvidas que rapidamente muitos analistas colocaram em relação ao eventual desconhecimento dos fabricantes de automóveis, a realidade é que nunca se provou que os construtores teriam procedido de forma ilegal. O Grupo Volkswagen foi mesmo ao ponto de afastar o responsável pela Comunicação Institucional e Sustentabilidade, Thomas Steg, que admitiu ser o responsável pela ligação ao EUGT e que assumiu a responsabilidade pelas experiências.

Se até aqui tudo bem – isto se descontarmos o facto de o veículo diesel novo utilizado para a comparação ser um Beetle, com o software alterado para poluir menos e que, ainda assim, provou emitir mais NOx do que uma velha carrinha Ford, dado que os motores modernos, com misturas mais pobres para consumirem menos, geram mais óxidos de azoto – não se compreende que agora o Grupo Volkswagen se prepare para reintegrar Steg, segundo noticiou o jornal alemão Bild.

Confrontado com a possibilidade de Steg regressar à marca, pela Reuters, um porta-voz do grupo não desmentiu, limitando-se apenas a adiantar que ainda não tinha sido tomada uma decisão sobre o assunto.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)