Volkswagen

VW perdoa responsável por experiências com macacos

A Volkswagen patrocinou o instituto alemão que realizou testes em animais e seres humanos para beneficiar a aceitação dos diesel. Pediu desculpa e afastou o responsável. Mas, agora, quere-lo de volta?

Dieter Zetsche (Daimler), Mathias Müller (ex-VW), Thomas Steg e Harald Krüger (BMW). Os três grandes fabricantes alemães de automóveis e a Bosch, fornecedora de todos eles, patrocinaram o EUGT para tentar provar o impossível, que os gases dos diesel - ou qualquer tipo de motor a combustão - não fazem mal à saúde

A Volkswagen viu-se envolvida numa situação no mínimo embaraçosa, uma vez que, em companhia das também germânicas Mercedes e BMW (e até a Bosch), patrocinou um organismo alemão, o Grupo Europeu para Investigação em Ambiente e Saúde no Sector dos Transportes (EUGT, em alemão), que deu provas de um sentido ético e moral duvidoso. Porquê? Porque o EUGT encomendou um estudo a um laboratório em Albuquerque, nos EUA (o  Lovelace Respiratory Research Institute), que colocou 10 macacos a inalar os fumos de escape de dois veículos com motores diesel (um moderno e outro antigo), com o intuito de provar que não fazia mal à saúde. Como se fosse possível qualquer motor de combustão (a gasolina ou diesel), mesmo aqueles pequeninos utilizados pelos pequenos carros e aviões radio-comandados, emitirem algo que faça bem à saúde!

Não contente com esta anormalidade, os estudos do EUGT não pararam por aqui e, mais grave do que isso, continuaram com seres humanos, com 19 homens e seis mulheres a serem expostos a gases de escape, para determinar os efeitos da inalação de dióxido de azoto em pessoas saudáveis.

O trabalho foi levado a cabo no hospital-universidade de Aachen, na Alemanha, e as reacções não se fizeram esperar assim que os jornais germânicos divulgaram a situação, com os grupos Volkswagen e Daimler a condenarem a forma de trabalhar do EUGT, a retirarem-lhe o apoio e a pedirem desculpas por terem patrocinado os estudos, alegando que desconheciam envolver pessoas e animais.

Apesar das dúvidas que rapidamente muitos analistas colocaram em relação ao eventual desconhecimento dos fabricantes de automóveis, a realidade é que nunca se provou que os construtores teriam procedido de forma ilegal. O Grupo Volkswagen foi mesmo ao ponto de afastar o responsável pela Comunicação Institucional e Sustentabilidade, Thomas Steg, que admitiu ser o responsável pela ligação ao EUGT e que assumiu a responsabilidade pelas experiências.

Se até aqui tudo bem – isto se descontarmos o facto de o veículo diesel novo utilizado para a comparação ser um Beetle, com o software alterado para poluir menos e que, ainda assim, provou emitir mais NOx do que uma velha carrinha Ford, dado que os motores modernos, com misturas mais pobres para consumirem menos, geram mais óxidos de azoto – não se compreende que agora o Grupo Volkswagen se prepare para reintegrar Steg, segundo noticiou o jornal alemão Bild.

Confrontado com a possibilidade de Steg regressar à marca, pela Reuters, um porta-voz do grupo não desmentiu, limitando-se apenas a adiantar que ainda não tinha sido tomada uma decisão sobre o assunto.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)