Há mais três pessoas constituídas arguidos no processo-crime em que se apuram responsabilidades pela morte de 66 pessoas, nos incêndios de Pedrógão Grande. Com este novo desenvolvimento, são já 13 os suspeitos de crimes que vão do “homicídio por negligência” a “ofensas corporais por negligência”.

O Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria refere, em comunicado divulgado esta terça-feira, que há três novos arguidos e que, tal como os dez anteriores, “todos pessoas singulares”. No processo instaurado depois dos incêndios de junho do ano passado, que mataram 66 pessoas, “estão em causa factos suscetíveis de integrarem os crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais por negligência”, recorda o Ministério Público.

O inquérito, sublinha o comunicado, está em “avançado estado de investigação, tendo já sido realizadas inúmeras diligências, sobretudo de carácter pericial, e ouvidas mais de duas centenas de testemunhas”. A 11 de junho, o Ministério Público já admitia que até meados de agosto deveria dar por terminada a fase de inquérito.

Naquele momento, 12 pessoas tinham-se constituído como assistentes no processo, que se encontra em segredo de justiça.