Fogo de Pedrógão Grande

Incêndios de Pedrógão. Dois meses para acabar a investigação

Número de arguidos sobe para dez. Ministério Público diz já ouviu cerca de 200 testemunhas e que deverá encerrar o inquérito dentro de, aproximadamente, dois meses.

Os incêndios de Pedrógão deflagraram a 17 de junho de 2017

Paulo Cunha/LUSA

O inquérito que o Ministério Público abriu aos fogos de Pedrógão Grande — que fizeram 66 vítimas mortais, 250 feridos e consumiram 50 mil hectares de floresta — conta com mais três arguidos, perfazendo um total de dez arguidos neste momento, segundo avançou esta segunda-feira o jornal Expresso. Os suspeitos podem vir a ser acusados dos crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais por negligência.

O vice-presidente da Câmara de Pedrógão, José Graça, a engenheira e quadro da Proteção Civil, Margarida Gonçalves, e o encarregado geral da Câmara, António Castanheira são os novos três arguidos no processo, segundo o semanário. Até agora, o processo, que está nas mãos do Departamento de Investigação e Ação Penal de Leiria, contava já com sete arguidos: o segundo comandante distrital da Proteção Civil de Leiria, Mário Cerol, o comandante dos bombeiros de Pedrógão, Augusto Arnaut e o comandante do Centro Distrital de Operações de Socorro de Leiria, Sérgio Gomes, assim como dois funcionários da Ascendi e duas empresas subcontratadas para fazer as limpezas e a gestão do combustível.

Numa nota publicada pela Porcuradoria Geral Distrital de Coimbra, a confirmar o número de arguidos, o Ministério Público refere, no entanto, que os dez arguidos são “pessoas singulares”. Na mesma nota, adianta ainda que foram já ouvidas cerca de 200 testemunhas, analisadas várias perícias e que, embora a investigação prossiga, o inquérito encontra-se “em estado avançado de investigação” e é “previsível a conclusão do mesmo no prazo de dois meses”.

Numa outra nota publicada a 2 de maio a PGR referia que à data existiam sete arguidos no processo: dois tinham sido constituídos em dezembro último, os restantes cinco, quatro deles ligados à área de gestão de combustíveis e um às operações de comando de combate ao incêndio, foram constituídos e interrogados como arguidos nos últimos dias de abril. “Em causa estão factos suscetíveis de integrarem os crimes de homicídio por negligência e ofensas corporais por negligência”, lia-se.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Política

Os esquecidos /premium

Alexandre Homem Cristo
355

As sementes do populismo estão plantadas nesse distanciamento entre o quem governa e os esquecidos, cada vez mais profundo e cada vez mais irreversível. É uma questão de tempo até algo rebentar.

Drogas

O Ben Está de Volta...

João José Brandão Ferreira

Agora é a liberalização da cultura da cannabis, com a desculpa que tem efeitos medicinais. Mas então porque não se faz o mesmo com os opiáceos, usados para retirar a dor em doentes terminais?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)