Manuel Grilo vai substituir Ricardo Robles. O número 3 da lista do Bloco de Esquerda para a Câmara de Municipal de Lisboa (CML) vai assumir o cargo de vereador para o qual Robles tinha sido eleito a 1 de outubro de 2017 e renunciou, depois da polémica em torno do seu prédio em Alfama. Manuel Grilo ficará responsável pelo pelouro da Educação e dos Direitos Sociais.

Assumirá o cargo o terceiro elemento da lista eleitoral, Manuel Grilo, que dará continuidade às responsabilidades executivas que o Bloco de Esquerda tem na Câmara Municipal de Lisboa, no quadro do acordo político celebrado entre o Bloco de Esquerda e o Partido Socialista”, pode ler-se no comunicado.

A decisão foi tomada na noite desta segunda-feira numa reunião da Comissão Política do Bloco de Esquerda que decorreu na sede do partido e foi anunciada através de um comunicado divulgado no Esquerda.net.

Manuel Grilo tem 59 anos e é professor e membro do Conselho Nacional de Educação. Deixou de dar aulas em 2016, quando passou a desempenhar funções de assessor do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda na área da Educação. Já tinha substituído Robles na vereação no presente mandato. Foi durante vários anos dirigente do Sindicato dos Professores da Grande Lisboa, membro do secretariado nacional da Fenprof e do Conselho Nacional da CGTP.

“Um enorme constrangimento”. Ricardo Robles renuncia ao mandato na Câmara de Lisboa

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Rita Silva manifestou a sua indisponibilidade para assumir o cargo”

A escolha natural seria a número dois da lista do Bloco, Rita Silva, que, segundo o mesmo comunicado “manifestou a sua indisponibilidade”, devido às “responsabilidades dirigentes” no movimento social do qual faz parte da direção e que “considera incompatíveis” com o cargo com o exercício do cargo de vereadora

O elemento que lhe sucede na lista eleitoral do Bloco de Esquerda, Rita Silva, manifestou a sua indisponibilidade para assumir o cargo, tendo em conta as responsabilidades dirigentes que tem num movimento social e que considera incompatíveis com o exercício do cargo de vereadora”, lê-se no comunicado.

Rita Silva faz parte da direção do movimento “Habita – Colectivo pelo Direito à Habitação e à Cidade”, que luta pelo direito à habitação e “contra a habitação encarada como um negócio que exclui as pessoas mais vulneráveis.” O movimento que representa, e através do qual entrou nas listas autárquicas, já se tinha pronunciado sobre o caso Robles. Num comentário de Facebook, que foi enviado às redações como a posição oficial do “Habita” sobre o tema, o coletivo demarca-se de forma clara de Ricardo Robles.

A Habita condena o enriquecimento à custa da especulação e a habitação como produto de mercado. É contra isso que se bate hoje e enquanto for necessário”, podia ler-se naquela rede social. Este coletivo é ainda associado à promoção do movimento de ocupação de edifícios nos bairros.

Rita Silva tem sido uma forte opositora das medidas para a Habitação que Fernando Medina e a vereadora responsável por esse pelouro, Paula Marques, têm tomado. Rita Silva, que escreve com frequência artigos de opinião no site Esquerda.net, publicou uma crónica recentemente em que criticava a CML por “não tocar no mercado” da habitação.

A sua escolha seria, por isso, uma opção que iria causar constrangimentos no acordo entre o Bloco e o PS na Câmara de Lisboa e que Medina já disse querer manter depois da saída de Robles. Fernando Medina publicou no Facebook uma nota em que expressa a vontade de manter o acordo com o Bloco de Esquerda. “O acordo político celebrado depois das eleições autárquicas entre o PS e o Bloco de Esquerda (…) mantém-se inalterado. Entrei em contacto com a direção do Bloco [sic] que garantiu o empenho na prossecução do acordo”, escreveu.

Medina: Acordo com o Bloco mantém-se, apesar da demissão de Robles

O agora ex-vereador apresentou a sua demissão esta segunda-feira depois de ter sido acusado de ter especulado em torno de um imóvel na zona de Alfama, depois de o ter comprado por 347 mil, remodelado por 650 mil e o ter colocado à venda quatro anos mais tarde por 5,7 milhões de euros.

Além do prédio de Alfama, Ricardo Robles é proprietário de um apartamento no centro de Lisboa e está à procura de alguém a quem arrendar o piso onde antes vivia na rua do Conde de Redondo. O valor que pede de renda mensal é de 1300 euros. Trata-se de um apartamento T3 que foi declarado por Robles nas duas últimas declarações de rendimentos ao Tribunal Constitucional, em 2017 e 2018, e entretanto já corrigida este ano. Tem um piso e cinco divisões, 85 metros quadrados e um valor patrimonial avaliado em 65.700 euros.

Ricardo Robles tem outro apartamento para arrendar. Fica no centro de Lisboa e pede 1300 euros por mês