Rádio Observador

Sequestro

Suspeito de sequestro apanhado em flagrante em alto mar pela PJ

O suspeito de sequestro foi apanhado em alto mar com a vítima e está em prisão preventiva. Polícia suspeita que o objetivo seria utilizar a embarcação e o sequestrado para tráfico de droga.

Depois de localizado o veleiro, os inspetores da PJ embarcaram na corveta -- que já se encontrava em alto mar --, com a ajuda da Força Aérea Portuguesa, e pelas 16h16 de sábado conseguiram chegar ao veleiro, tendo a vítima sido libertada.

Marinha Portuguesa

Foi o último trabalho da corveta “Jacinto Cândido” em alto mar e acabou por ser uma missão fora do comum. A Unidade Contra-Terrorismo da Polícia Judiciária (PJ), em conjunto com a Marinha Portuguesa, a Força Aérea e a Polícia Marítima, deteve um cidadão francês, este fim-de-semana, que terá sequestrado outro cidadão da mesma nacionalidade no porto de Leixões, levando-o para alto mar na embarcação da vítima. Foi através da corveta que se chegou ao veleiro.

Tudo começou na passada quinta-feira, quando a PJ recebeu uma comunicação das autoridades francesas sobre uma denúncia do sequestro de um nacional daquele país a bordo de uma embarcação ao largo da costa portuguesa. O homem, de 28 anos, contactou uma pessoa próxima antes de entrar no veleiro, alertando assim as autoridades.

A embarcação francesa acabou por ser localizada durante a tarde de sexta-feira a 160 milhas náuticas da costa portuguesa — isto é, por outras palavras, a cerca de 300km do sudoeste de Lisboa, mas ainda em águas territoriais portuguesas. O trabalho não foi fácil e demorou várias horas: sabia-se a hora de saída do veleiro do porto, a que velocidade poderia ir, mas foi preciso fazer vários cálculos para o encontrar.

Depois de localizado o veleiro, os inspetores da PJ embarcaram num helicóptero EH-101 da Força Aérea Portuguesa que levou-os ao encontro da corveta — que já estava em alto mar. Com a Judiciária a bordo, a “Jacinto Cândido” iniciou a perseguição à embarcação suspeita.

Pelas 16h16 de sábado conseguiram intercetar o veleiro, tendo a vítima sido libertada. Segundo as autoridades, o cidadão francês terá sido coagido e sequestrado na sua embarcação com o objetivo de realizar o transporte de droga no veleiro. Caso não o fizesse, a sua família corria perigo de vida.

Com a ajuda da Força Aérea, os inspetores da PJ foram colocados na corveta e conseguiram chegar ao veleiro.

Só por volta das 6h da manhã de de domingo é que o veleiro e a corveta da Marinha atracaram no Porto de Portimão, “trazendo a bordo o suspeito e a vítima”, confirmou Patrícia Silveira, coordenadora de investigação criminal da Unidade Nacional de Contra-Terrorismo da PJ, em conferência de imprensa.

De seguida, foi realizada uma busca ao veleiro, “confirmando-se as suspeitas existentes da prática de um crime de sequestro e coação agravados”, tendo o arguido sido detido em flagrante delito, afirmou Silveira.

O homem, de 42 anos, foi apresentado no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa na tarde de domingo, tendo ficado em prisão preventiva. No veleiro não foi encontrada droga — as autoridades suspeitam que a embarcação ainda estaria a dirigir-se para o local de origem –, mas foram apreendidas várias centenas de milhares de euros.

A PJ disse ainda não existir qualquer ligação dos dois indivíduos a Portugal e suspeitam que não há ligação entre eles. Apesar de a investigação ainda estar a decorrer, sabe-se que o sequestrador tem antecedentes criminais por criminalidade organizada e violenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)