CDS-PP

Nuno Melo: “O que está a acontecer com a ferrovia é simplesmente uma vergonha”

1.757

O CDS iniciou um roteiro pela ferrovia portuguesa para denunciar o seu estado atual, envolvendo vários dos seus dirigentes em viagens de comboio. Nuno Melo foi o primeiro a apontar o que está mal.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

À chegada à estação de Porto-Campanhã na manhã desta terça-feira, pouco passava das 9 horas, Nuno Melo voltou a apontar a falta de investimento público, as cativações, reversões e “um certo preconceito ideológico” em relação à participação de privados como principais causas para o mau estado da ferrovia nacional. “O que está a acontecer com a ferrovia é simplesmente uma vergonha”, acusou o eurodeputado.

As concessões, como acontece noutras áreas da economia, vêm muitas vezes em benefício do Estado, desde logo quando o Estado não tem dinheiro para fazer os investimentos que são necessários“, declarou no final de uma viagem iniciada em Viana do Castelo, integrada num roteiro de viagens da CP escolhido pelo CDS para, como explicaram, exporem a atual situação dos caminhos-de-ferro em Portugal — um roteiro em que participam outros dirigentes centristas, incluindo a líder do partido, durante o dia de hoje.

Para sustentar a sua argumentação, o eurodeputado centrista apontou o caso dos Estaleiros de Viana como “prova evidente de que a participação dos privados, quando bem pensada, é uma solução”. Acompanhado por Pedro Mota Soares, Ilda Novo e Filipe Anacoreta Correia, o atual eurodeputado e cabeça de lista do CDS para as próximas eleições europeias, que acontecem em Maio de 2019, acusa também o governo socialista de desperdiçar fundos comunitários “disponíveis para a modernização dos comboios e do material circulante”. E destaca a baixa taxa de execução do plano Ferrovia 2020: “Neste momento o plano está com uma taxa de execução de 15% e o que pedimos, entre outras coisas, é que comparem o que já deveria estar executado no primeiro trimestre de 2018 e o que não está”.

Questionado sobre a responsabilidade do CDS no estado da ferrovia, depois do secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme. W. d’Oliveira Martins, ter dito que, entre 2010 e 2015, houve uma redução de cerca de um terço dos trabalhadores, Nuno Melo prefere concentrar-se nos “vários planos que estavam aprovados pelo antigo governo e que o atual reverteu”, como os fundos comunitários previstos para a linha de Cascais desviados para outros fins.

O CDS enquanto governo teve planos para a ferrovia, apesar dos tempos de contingência e de austeridade. Este governo, que tem supostamente um país que cresce, que diz que tudo está bem, permite, como se vê, o que nesses tempos de austeridade realmente não aconteceu. Se compararem a ferrovia de hoje com a até 2015, certamente notarão diferenças para pior. Quem hoje governa não faz o investimento possível, não faz sequer o investimento prometido.”

A iniciativa de hoje faz parte de uma mobilização nacional do CDS para denunciar a falta de investimento na ferrovia em Portugal, na qual vários dirigentes nacionais, incluindo Assunção Cristas, estarão a viajar “de Norte a Sul do país”. A CP é também um dos alvos das críticas ao mau estado do serviço prestado aos utilizadores dos comboios.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)