Rádio Observador

Atores

Quem é Jimmy Bennett, o jovem que acusou a líder do #MeToo de assédio

Jimmy Bennett começou no cinema em 2003, conheceu Asia Argento quando tinha apenas sete anos e agora tem os holofotes apontados depois de denunciar ter sido vítima de assédio sexual.

Getty Images

A denúncia revelada pelo The New York Times esta segunda-feira chegou de surpresa para muitos. A atriz italiana Asia Argento — uma das primeiras mulheres a denunciar ter sido abusada sexualmente pelo produtor Harvey Weinstein e que se tornou líder do movimento #MeToo — terá acordado com Jimmy Bennett, um jovem ator que a acusou de assédio sexual, um pagamento de cerca de 380 mil dólares pelo seu silêncio.

Tudo terá acontecido num quarto de hotel na Califórnia em 2013, quando Bennett tinha acabado de fazer 17 anos, enquanto Argento tinha 37. Com os documentos do acordo enviado ao jornal, através de um email encriptado, chegou também uma selfie de maio de 2013 que mostra Asia Argento e o jovem deitados numa cama. Os advogados do ator dizem ter-se tratado de “abuso sexual” e de uma experiência traumática para o seu cliente e que terá prejudicado a sua saúde mental.

Foi em 2004 que os dois se conheceram pela primeira vez, quando Bennett interpretou Jeremiah, filho de Argento no filme Maldito Coração (em inglês, The Heart is Deceitful Above All Things). Depois desse filme os dois mantiveram-se próximos e referiam-se com frequência a uma relação mãe-filho.

Jimmy Bennett, fez de filho de Asia Argento em 2004, no filme Maldito Coração (em inglês, The Heart is Deceitful Above All Things).

Mas, o percurso de Bennett no cinema começou um ano antes, quando tinha apenas sete anos e contracenou ao lado de Eddie Murphy em O Guarda-fraldas (Daddy Day Care)Depois disso, seguiram-se também várias contribuição na área da dobragem.

Em 2005, Bennett interpretou Tommy Smith, filho de Bruce Willis em Refém, um filme onde adquiriu a alcunha de “Jimmy Two-Takes” (em português “Jimmy Dois Takes”), pela sua habilidade em interpretar as cenas sem ter que as repetir na maior parte das vezes. Um ano depois, foi o filho de Harrison Ford, em Firewall. Entre os seus papéis mais reconhecidos está também a interpretação do jovem James T. Kirk em Star Trek: um novo começo (2009).

Para o ator, ver Argento apresentar-se como uma vítima de assédio sexual foi a gota de água que o levou a reviver o episódio de 2013, do qual há até uma fotografia no Instagram da atriz. “O que ele sentiu naquele dia voltou a ser revivido quando Argento se tornou a voz das vítimas de Harvey Weinstein”, disse o advogado no documento.

Happiest day of my life reunion with @jimmymbennett xox

A post shared by asiaargento (@asiaargento) on

Da paixão pela música aos problemas familiares

Não é só o cinema que ocupa a vida de Jimmy Bennett. Em 2011, o intérprete lançou o seu primeiro single Over Again e, desde aí, colaborou com artistas como Sean Chambers, John Ginty e Bruce Katz Band.

A família de Bennett é proprietária de um restaurante de crepes nos arredores de Los Angeles, onde o ator e a sua irmã Amanda costumavam ajudar quando eram mais novos. Na altura, o pai de Jimmy Bennett disse ter ficado inspirado com os locais que visitou à conta da carreira cinematográfica do filho e, por isso, decidiu abrir o negócio.

Em 2014, o ator teve problemas com a mãe e o padrasto e processou-os por terem, alegadamente, aproveitado 1,5 milhões de euros dos seus ganhos, acusando-os de o terem expulsado de casa e ficado com os seus bens. O caso foi resolvido em dezembro do mesmo ano, mas os termos nunca foram conhecidos. Bennett tem também um problema nos olhos que o impede de conduzir. O artigo do The New York Times refere que essa condição obrigou a que, na altura em que o ator se encontrou com Asia Argento no hotel, tivesse que ser levado por um familiar, tendo depois Asia Argento pedido a essa pessoa para sair, pois queria estar a sós com Bennett.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)