Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Pedrógão Grande. Habitantes garantem ter alterado moradas fiscais por indicação da autarquia

2.719

Vários habitantes de Pedrógão Grande garantiram, numa reportagem da TVI, ter recebido indicações da própria autarquia para alterarem a morada fiscal com o objetivo de receberem mais ajudas.

PAULO NOVAIS/LUSA

A autarquia de Pedrógão Grande terá sugerido aos habitantes que alterassem as moradas fiscais de modo a conseguirem recuperar casas que não estavam habitadas com dinheiro dos donativos. A acusação é feita por vários populares, numa investigação da TVI emitida esta quarta-feira, que admitem ter sido incentivados pelo Presidente da Câmara, Valdemar Alves, e pelo vereador Bruno Gomes a alterar a sua morada fiscal para poderem beneficiar das ajudas solidárias.

Na reportagem, são relatados dezenas de casos em que os fundos que deviam destinar-se apenas a casas de primeira habitação acabaram por ser usados para reconstruir casas de segunda ou terceira habitação. Tudo porque uma simples alteração da morada fiscal permite que casas que nunca foram habitadas possam ser apresentadas como residência principal. Os beneficiários garantem que foram os próprios autarcas que sugeriram a alteração da morada. “Se os outros todos fazem isto, porque não havemos nós de o fazer também?”, justificam-se.

Grande parte dos beneficiários deste esquema são familiares dos presidentes das juntas locais ou de funcionários da própria Câmara Municipal de Pedrógão Grande. Um fator que indigna a população, que se queixa de que há casas de primeira habitação com necessidades urgentes de recuperação cujas obras se encontram atrasadas.

Mas a história também se faz daqueles que não aceitaram ceder à tentação de ver as suas casas facilmente recuperadas recorrendo à alteração de morada fiscal. Na reportagem, um casal de habitantes de Pedrógão Grande garante ter sido coagido pelo vereador para alterar a morada fiscal, tendo-se recusado a aceitar a sugestão por considerar que a prática não seria aceitável.

Confrontado com a informação, Valdemar Alves nega sucessivamente as acusações que lhe vão sendo feitas ao longo da peça da TVI. “Isso não sei”, “isso não é verdade”, “não admito” ou “foi tudo muito bem feito” são algumas das formulações escolhidas pelo presidente da autarquia para refutar as imputações. Já Bruno Gomes não aceitou falar à estação televisiva.

Já em julho, a revista Visão publicou uma investigação onde revelava que pelo menos meio milhão de euros dos donativos tinha sido desviado para casos não urgentes. Neste momento, o Ministério Público está a investigar os casos revelados na investigação, para averiguar se houve irregularidades na distribuição dos fundos para a reconstrução das casas de Pedrógão Grande.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Discriminação

A Universidade e a raça

Ricardo Cabral

É pena ver parte dos políticos a não abordar os assuntos raciais com a maturidade necessária. É triste saber que Portugal é governado por quem desconhece a verdadeira e diversa realidade portuguesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)