O estado da Saúde em Portugal já é notícia além fronteiras e acaba de ser referido no jornal espanhol ABC. No seguimento da demissão em bloco de 52 médicos do Hospital de Gaia, — que alegam falta de condições mínimas para realizar o seu trabalho — o órgão de comunicação social castelhano realça as queixas de um “caos reinante” e o facto de esta já não ser a primeira vez que vários médicos decidem demitir-se. São recordados os exemplos de Tondela-Viseu e até do São José, que o jornal afirma ter sido convertido num “monumento à negligência institucional no campo da Saúde em plena capital”.

Nos últimos tempos têm sido tornadas públicas as reivindicações de vários médicos que se afirmam revoltados com o desinvestimento e degradação do SNS. O caso do Hospital de Gaia foi o mais recente e, segundo o diretor de serviço da unidade hospitalar em questão, Miguel Guimarães, tratava-se de um “cenário de guerra”. O jornal espanhol afirma que este é só mais um exemplo do “caos reinante” e do “mar de macas” espalhado pelo hospital. Destaca ainda o depoimento de uma paciente que afirma: “Já se deviam ter demitido há muito tempo, tanto em Gaia como em todo o país, porque este Governo quer transformar o país numa Venezuela europeia.”

Demissão em bloco no Hospital de Gaia: 52 diretores e chefes de serviços saem em protesto

No artigo em questão é também referida a impossibilidade de “soluções a curto prazo” e denunciada a realidade de que o estado de degradação da instituição em questão terá aumentado o nível de infeções em pacientes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O descontentamento tornou-se insustentável e a população clama por soluções rápidas, apesar do tempo continuar a passar e nada se concretiza. O que está claro é que devem ser postos em prática, sem demora, planos de contenção” — assim termina o artigo do ABC.

Corrigida com a substituição de despedimento coletivo por demissão em bloco.