Tive uma Ideia

O miúdo de 17 anos que criou um caderno infinito e 5 anos depois chegou ao top da Amazon

2.360

Pedro Lopes tinha um dilema e quis resolvê-lo. Nasceu o EcoBook, que depois se transformou no InfiniteBook, um caderno que permite errar, é amigo do ambiente e fatura 250 mil euros.

Pedro Lopes pegou no quadro branco que tinha no quarto e transformou-o num caderno reutilizável. Hoje, tem 22 anos e fatura 250 mil euros

Autor
  • Ana Catarina Peixoto

Pedro Lopes tinha 17 anos, estava a terminar o ensino secundário e, entre as várias dúvidas que surgem na altura, havia um dilema que tinha mesmo de ser esclarecido: para estudar e fazer os exercícios de matemática só podia utilizar o lápis ou a caneta, mas nenhum destes materiais o agradavam. O primeiro não deslizava bem no papel e, ao apagar, muitas vezes desgastava as folhas. A caneta, apesar de escrever bem, era permanente e havia sempre o medo de errar. Além disso, gastava muitas folhas de rascunho. E Pedro, como sempre gostou de “criar todo o tipo de coisas”, não se deu por derrotado.

Decidiu utilizar o quadro branco que tinha na parede do quarto para estudar, mas ainda assim não era a solução ideal. Havia “a inconveniência de estar preso a uma parede, obrigar-nos a estar em pé e não ser pequeno para o transportar”. Até que em 2014, quando tinha 18 anos e depois de desenvolver algumas ideias, questionou: Porque não pegar num quadro branco, torná-lo portátil e criar um caderno onde as folhas não se esgotam? Eis a primeira página da vida do InfiniteBook, um caderno reutilizável (e uma startup) que, nos últimos meses, tem integrado o top de vendas da Amazon do Reino Unido, na categoria “office”, e que está prestes a fechar o ano com 250 mil euros em vendas.

Pedro, natural de Viseu, transformou o quadro que tinha no quarto numa folha igual ou menor que uma A4 e juntou as páginas num caderno transportável, juntamente com uma caneta com borracha própria no topo para apagar sempre que se enganava. O material do InfiniteBook, refere, não permite que o que foi escrito seja facilmente apagado com a mão, mas, ao mesmo tempo, é fácil de apagar quando necessário.

O primeiro protótipo do InfiniteBook que Pedro Lopes produziu.

“Eu comecei por fazer isto apenas para mim”, explica Pedro, hoje com 22 anos e a estudar Gestão na Faculdade de Economia da Universidade do Porto, depois de ter percebido que Engenharia não era o que queria. Quando levou o primeiro protótipo do caderno para a escola, as reações mostraram que podia fazer algo mais com a sua invenção. “Pensei ‘não tenho nada a perder, vou estudar a ideia desta forma, se correr mal, perdi um bocado de tempo, mas aprendi muito’”, explica o criador.

Partiu para a aventura de criar um negócio, juntamente com um amigo e com a ajuda do pai “na parte contabilística”. Havia vontade, mas faltavam duas componentes importantes: dinheiro e alguém que acreditasse na ideia. A primeira questão foi resolvida com um crowdfunding com o objetivo de angariar 1.250 euros. “Conseguimos juntar 2.300 euros, mais do que pedimos. Tivemos a ajuda de 101 pessoas e é engraçado pensar nisto, porque não as conhecíamos de lado nenhum, mas sem elas isto não teria avançado”, referiu o empreendedor.

Com esse dinheiro, Pedro conseguiu tornar o negócio real, aumentar o processo de produção e ir à procura de pessoas interessadas. Foi nesta última categoria que encontrou uma porta difícil de abrir. Era muito jovem e havia “quem não levasse a sério a ideia” por ter 18 anos e não ter experiência a nível empresarial.

Viam um miúdo de 17, 18 anos com uma ideia e não a levavam a sério, não levavam a sério o produto e foi um bocado complicado lutar contra esse preconceito. Mas fomos conseguindo. Depois com o produto, o trabalho e o que tínhamos atingido, conseguimos fazer com que as pessoas começassem a acreditar na ideia”, referiu ao Observador.

Até fevereiro deste ano, o InfiniteBook esteve no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC), uma incubadora de startups que tiveram a “felicidade de encontrar” e de serem aceites. Foi aí que, diz Pedro, conseguiu aprender o que era o mundo do empreendedorismo e ganhar experiência. “Até lá só tinha apenas um caderno que queria vender e que era engraçado”, disse. Agora, a casa do InfiniteBook é num escritório em Viseu, com visitas regulares ao Porto para trabalhar com um designer.

De um formulário no Google ao top da Amazon

As vendas do InfiniteBook começaram em 2014 através de um formulário do Google “muito básico” onde os clientes faziam os pedidos. Nessa altura, Pedro ainda não sabia a dimensão que a sua ideia iria ter.

Tudo mudou quando um português que trabalha na Amazon Espanha encontrou o projeto através de um link de um blogue e fez o convite para trazê-lo para a plataforma de comércio eletrónico. E assim, de uma forma gradual, virou-se mais uma página. O produto chegou ao top de vendas da Amazon na categoria “office” e encontra-se também à venda na FNAC e em algumas papelarias espalhadas pelo país e perto das faculdades, especialmente no Porto e em Lisboa. No total, já chegou a cerca de 50 mil pessoas, sendo grande parte de Portugal, Reino Unido e Alemanha.

Este ano, a startup — que conta com uma equipa de cinco pessoas — pretende fechar com 250 mil euros de faturação, um crescimento de mais de 100% em relação às vendas do ano passado. São números que o empreendedor “não esperava”. No meio disto, estão também os estudos, uma tarefa que “não está a ser fácil de conciliar” e outro dilema que Pedro ainda está a resolver. Os pais, conta o estudante, “reagiram muito bem desde o início do negócio, apesar de nunca terem imaginado a dimensão que isto ia ter”.

Na lista de opções do InfiniteBook, há cadernos lisos, pautados, quadriculados e pontilhados, em A4 ou A5, sendo que o preço varia entre os 7,99 e os 24,99 euros. E não servem só para estudar. A última coleção lançada – Genius – quer incentivar-nos a sonhar e a arriscar.

É uma coleção que transmite a ideia de que todo erramos, mesmo os génios”, explica Pedro no comunicado do lançamento da nova coleção, acrescentando que “a inovação baseia-se na tentativa e erro, quando nos estamos a lançar para o desconhecido não podemos ter medo”, acrescentou.

A nova coleção da InfiniteBook, Genius, quer transmitir a ideia “de que todo erramos, mesmo os génios”.

Para as empresas, por exemplo, há também a oportunidade de encomendar cadernos personalizados, contando já com várias parcerias institucionais como a Uber, a Galp, a EDP, a Farfetch e a Feedzai, além do investimento de Tim Vieira, o empresário que participou no Shark Tank e aposta em startups.

Próximos passos: tecnologia, novos produtos e mais países

Nem sempre o InfiniteBook teve este nome. O caderno começou por se chamar EcoBook, por ser um produto amigo do ambiente, tendo em conta que o material pode ser reutilizado, acabando assim com a utilização de folhas de papel. Mas, havia um problema: “As pessoas confundiam o produto com um caderno de folhas recicladas e não tinha tanto impacto porque era uma ideia que já existia”. Foi assim que o nome InfiniteBook nasceu.

A reação das pessoas, refere o fundador, “tem sido surpreendentemente positiva”. Há até quem conte a Pedro que agora as suas secretárias estão mais limpas e que deixaram as folhas de rascunho. “Isto parece um bocado televendas, mas é verdade”, brinca.

O feedback tem sido surpreendentemente bastante positivo e digo surpreendentemente porque estamos a tentar mudar a mentalidade das pessoas e isso nem sempre é fácil”, explica o criador do InfiniteBook.

E como ainda há história por escrever, a InfiniteBook já está a pensar em expandir o seu negócio e entrar numa vertente mais tecnológica, estando a desenvolver uma app que vai permitir tirar fotografias às páginas do caderno e guardá-las para que nunca mais se percam e para que também possam ser partilhadas. Estão também a ser trabalhadas mais parcerias com ilustradores, novos produtos e a intenção de crescer noutros países.

O objetivo, assegura Pedro, continua a ser o mesmo: “Queremos formar uma mentalidade mais sustentável, tentar ser ao máximo paper free, e as pessoas estão a aceitar isso e estão a mudar”.

*Tive uma ideia! é uma rubrica do Observador destinada a novos negócios com ADN português.

(Artigo editado por Ana Pimentel)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)